24 julho 2016

Divulgação :: Taylor's inaugura centro de visitas - uma verdadeira imersão no universo do vinho do Porto


Após meses de reestruturação e modernização, a Taylor´s anuncia a abertura de seu novo Centro de Visitas, localizado no coração da zona histórica de Vila Nova de Gaia. Um passeio pelo complexo e delicioso mundo do Vinho do Porto e da Taylor´s que proporciona ao turista uma experiência inesquecível!

Para Adrian Bridge, diretor-geral da Taylor’s, a empresa sentiu a necessidade de oferecer aos mais de 100 mil visitantes anuais um outro tipo de experiência, mais adaptada ao século XXI e que se destaque dos outros 16 centros de visita às caves de vinho do Porto que estão por perto.  Para isso, a empresa investiu mais de um milhão de euros nas novas instalações. 

A visita custa 12 euros e está disponível em áudio-guia em cinco idiomas: inglês, espanhol, francês, alemão e português; e leva os turistas através das caves que abrigam os antigos tonéis e mais de 1.500 pipas, onde envelhecem os vinhos do Porto antes da comercialização. Cada visitante ficará livre para escolher quanto tempo deseja dedicar às 11 áreas em que se divide o tour completo: o percurso rápido leva 20 minutos e o completo pode levar até duas horas. 


O tour começa pela história da marca, criada em 1692, contada por áudio, fotografias e vídeos. Os visitantes percorrem os túneis que abrigam a lendária coleção de vintages da Taylor´s, alguns com mais de dois séculos. Estas garrafas especiais encontram-se deitadas umas sobre as outras e repousam neste local até atingir a maturidade perfeita. Um dos pontos altos da visita é a garrafeira Vintage, que abriga uma das mais raras coleções de vinhos do Porto Vintage. Uma verdadeira viagem ao universo do vinho do Porto! 


Após este trajeto, os visitantes seguem para a sala de degustação, local onde podem provar o Taylor´s Chip Dry e o Taylor´s Late Bottled Vintage, sempre com os comentários de um expert da empresa. Para os que desejarem uma degustação mais completa, com inclusão de outros vinhos e até mesmo com alguns snacks e chocolates para harmonização, um novo valor é cobrado. 

Adrian Bridge destaca: "Sentimos que estava na hora de atualizar a nossa visita usando tecnologia moderna. O áudio tem conteúdo para uma visita de duas horas para os turistas que desejarem ver e aprender tudo o que puderem. No entanto, muitos vão preferir ir mais rapidamente para a sala de provas, onde têm acesso a uma ampla gama dos nossos vinhos do Porto."

Centro de Visitas Taylor´s
Horário: 10:00 às 19:30pm (última visita começa às 18:00)
Entrada: 12€ por pessoa
Rua do Choupelo nº 250, 4400-088 Vila Nova de Gaia

No Brasil, os vinhos Taylor´s são importados e distribuídos pela Importadora Qualimpor.

Fonte: Assessoria de Comunicação - São Paulo. 





21 julho 2016

Você compraria um vinho de R$20? Leia nossas impressões sobre o Salton Classic Malbec 2015


A pergunta do título é mesmo provocativa: você compraria um vinho de R$20? A resposta depende muito do seu perfil de consumidor e do que você espera de um vinho a esse preço.

Particularmente se me oferecessem um vinho desse preço eu esperaria que fosse correto, fácil de beber, que não fosse agressivo, sem defeitos, para ser bebido descontraidamente, sem causar "debates infindáveis" sobre suas características. 

Se sua resposta a essa pergunta for algo parecido, pode comprar esse vinho que a Salton elabora na Argentina utilizando a uva emblemática de nosso vizinho. Pertence à popular linha Classic que todos nós já tivemos oportunidade de experimentar.  

Na taça a coloração é de um vinho jovem, violáceo. Aromas bem francos, frutas como ameixa, uva passa, figo. Demonstra ser um vinho simples nos aromas, sem interferência da madeira para maquear, o que pode ser muito comum em vinhos mais baratos. Não é o caso desse!

Em boca, é muito fácil de beber, macio, taninos doces e acidez discreta. Notas adocicadas fazem o vinho muito amigável, especialmente aos paladares iniciantes, aqueles que estão migrando dos vinhos suaves ou demi-sèc.

Um vinho redondo, sem grandes complexidades, mas sem defeitos. Não tem a fruta exuberante de Malbec mais caros, nem tanta potência. Tem 13% de álcool, sem desequilíbrio.

Final de boca um tanto ligeiro, mas muito agradável, com levíssimo amargor. Ideal para harmonizar com massas, queijos maduros, carnes vermelhas, empanadas de carne. Enfim, uma boa lista, mas de pratos menos potentes.


Detalhes da compra:

Recebi essa garrafa para participar de mais uma degustação virtual promovida pelo Winebar no último dia 18 (segunda-feira). Na loja virtual da Salton é vendido por R$ 20,40. 

Veja aqui como foi a degustação virtual.

Saúde a todos!



17 julho 2016

Excelente compra e ótima surpresa: Ferreri Sette Vigne Nero D'Avola 2014


Esse é um vinho daqueles que gosto de servir aos amigos que preferem os vinho bem potentes. É dos vinhos que surpreendem, porque a cor tênue (resultado de pouca extração) e o baixo teor alcoólico declarado (12,5%) tendem a deixar o consumidor imaginando um vinho leve, sem muita personalidade. Ledo engano!!!!

É elaborado na Sicília, região italiana de ótimas surpresas, pela Ferreri & Bianco, especializada em duas uvas autóctones (nativas) da região: a branca Catarratto e a tinta Nero D'Avola, cultivadas em seus 50 hectares de vinhedos próprios, plantados em altitudes variando entre 250 e 500 metros.  

Na taça a coloração é rubi, com muita transparência. Aromas frutados, lembrando frutos mais delicados. Mas, em boca é muito intenso, corpo mediano, muita fruta madura, taninos doces e macios, acidez lá em cima. Frutado silvestre forma um conjunto muito interessante com o adocicado da boa fruta madura. A passagem brevíssima por carvalho não interfere de maneira importante no conjunto. 

O vinho mais maduro jamais fica enjoativo se tiver uma grande acidez. É o caso. Final longo, marcado pela fruta e por uma mineralidade que não aparecia antes. Boca seca, salivando pela acidez e com alguma lembrança dos taninos. Apesar do pouco teor alcoólico é um vinho potente, um grande companheiro para bons pratos italianos. Uma surpresa!


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Mercovino e vendido aqui em Uberlândia por R$ 76. Excelente compra! 

Saúde a todos!



10 julho 2016

Em tempos de crise, uma ótima compra: Primus The Blend 2012


Aqui em nossa região os tintos de corte não são muito comuns, os varietais é que mandam no pedaço. Aliás, acho que em todo o Brasil é assim. Então, quando encontro um corte não costumo deixar passar a oportunidade, ainda mais se o preço for convidativo. 

Primus é uma das marcas da Bodega Veramonte, um projeto capitaneado desde 2012 pelo enólogo Rodrigo Soto, que tem grande experiência na condução de projetos ecologicamente corretos no Chile, Estados Unidos e Nova Zelândia. Além desse blend eles elaboram outros três varietais, todos tintos.

Esse é elaborado com uvas do Vale de Colchagua, um blend de seis variedades: 25% Cabernet Sauvignon, 25% Carmenère, 25% Syrah, 15% Merlot, 5% Cabernet Franc e 5% Petit Verdot. Passa 12 meses em carvalho francês, sendo que 25% delas são de primeiro uso. Tem 14,5% de álcool.

Na taça tem coloração rubi. Nos aromas a presença de frutos vermelhos maduros, amoras, especiarias (pimenta e alecrim), cedro e baunilha. Em boca é estruturado, maduro, com muita fruta presente, ameixa, com a madeira também aparecendo, em boa harmonia. Apesar do teor alcoólico não há desequilíbrio. Taninos macios e acidez mediana.

Final longo, repetindo as sensações de fruta e madeira em um bom conjunto. Pronto para ser consumido agora ou no máximo em 2017, porque ainda terá estrutura para suportar a guarda, mas não para evoluir.

Vinho que pode ser classificado como potente e amadeirado, mas sem que esse adjetivo seja pejorativo, porque há boa integração entre fruta e madeira. Às cegas parece que as características da Syrah estão mais presentes que das outras variedades, mas é só um palpite.


Detalhes da compra:

Comprei esse vinho aqui em Uberlândia pagando R$59, o que considero uma ótima relação custo x benefício, ainda mais nesses tempos em que os vinhos bons e baratos desapareceram nas prateleiras. 

Saúde a todos!


04 julho 2016

Hoje o blog faz 10 anos! E com ele eu...


- Fiz amigos que jamais faria se não fosse pelo vinho. Quem tem amigos tem um céu ao seu dispor!

- Conheci pessoas e lugares que jamais conheceria se não escrevesse sobre vinhos!

- Incentivei minha esposa a trilhar por um caminho profissional diferente da nutrição clínica!

- Escrevi sobre mais de 1.040 vinhos, com meu texto próprio, sem  interferências externas!

- Vi muitos blogs nascerem e inúmeros morrerem!

- Posso celebrar 10 anos de atividade de muito aprendizado e dizer que sou (ou devo ser) o único blogueiro com atividade por tanto tempo no mundo do vinho, lembrando que quando comecei havia 4 blogs no Brasil e hoje devem ser mais de 500!

- Tive o prazer de ter o blog como o mais relevante (Google) por muitos anos. Mas, o ritmo de postagens diminuiu e com ele outros blogs se tornaram mais relevantes. Sem problemas, já que minha alegria em escrever nunca esteve vinculada a esses dados!

- Tenho oportunidade de fazer do vinho uma bebida cotidiana, sem que para isso seja necessário um jantar especial. Bebemos vinho em casa com frango caipira ou arroz e feijão, porque à mesa o que importa é quem está a seu redor!

- Recuperei o tempo perdido, porque comecei a beber vinho com frequência somente aos 30 anos de idade!

- Viajei para cidades e países e nelas tive experiências que não teria sendo um "turista padrão"!

- Aprendi a beber vinhos de todos os preços - dos mais baratos aos mais caros - e entender sua proposta, buscando qualidade em cada um!

- Bebi vinhos excepcionais e alguns encantadores de tão simples!

- Agradeço por um dia terem cruzado meu caminho vinhos como o Cordelier Chardonnay (o primeiro do blog), o Periquita (clássico português), o Santa Carolina Reservado Cabernet Sauvignon e o Angaro Syrah-Malbec, vinhos simples e baratos, que em determinado momento eram excepcionais para um iniciante!

- Entendi que para alguns produtores o que está dentro da garrafa não é dinheiro, é história! E por vezes a história de gerações de uma família simples, trabalhadora e acostumada a sofrer com o clima, com os tributos, com as críticas!

- Descobri há alguns anos que a crítica a um vinho de que não gosto não me faz bem!

- Participei de inúmeros eventos de vinhos, sendo jurado em alguns deles e aprendendo o quanto uma degustação às cegas pode revelar sobre os vinhos e sobre os degustadores!

- Criei coragem, venci (um pouco) a timidez e criei um canal de vídeos no Youtube. Anda um pouco devagar, mas está lá como parte da história do blog!

- Ajudei a criar (e a manter viva) a primeira e única confraria virtual de vinhos do Brasil, a Confraria Brasileira de Enoblogs, que desde fevereiro de 2007 mantém mensalmente seus confrades ativos e oferecendo opiniões sinceras e imparciais aos leitores!

- Aprendi a guardar vinhos por anos, mas também a abrir mão deles para celebrar a amizade, o amor, a vida!

- Passei a receber vinhos de produtores e importadoras, mantendo com eles uma relação de cordialidade, porque se gosto do vinho digo o que penso, se não gosto eu me calo, porque o mundo já está repleto de críticos destruidores!

- Passei a ter milhares de seguidores no Blogger, Instagram, Youtube, Twitter, Facebook e mais recentemente no Vivino. Todos "seres humanos de verdade", nenhum robô!

- Comecei a falar menos sobre vinhos nos lugares onde estou, porque nem todos querem ouvir ou estão dispostos a falar a respeito!

- Conheci muita gente ligada ao vinho... alguns conhecedores incríveis e de simplicidade contagiante!

- Enfim, tive o prazer de por 10 anos ininterruptos me divertir e aprender sobre esse universo inesgotável, não me cabendo outra coisa senão agradecer a todos que leem o blog, aos amigos que fiz e à Érika, minha esposa, porque sem o seu incentivo esse blog já não existiria mais.   

Saúde a todos!!!

01 julho 2016

Um tinto encorpado para o inverno :: Pedregal Roble Tannat 2015 #CBE


Hoje é dia de escrever sobre o vinho escolhido para nossa Confraria Brasileira de Enoblogs - CBE, que dessa vez teve a experiência do confrade Luiz Cola no comando: "um tinto 'encorpado' de inverno com preço até R$100". 

Confesso que não foi difícil encontrar opções, mas acabei buscando algo que há muito tempo não aparecia por aqui, um Tannat Uruguaio. Então, considerando a faixa de preços interessante desse aqui, não tive dúvidas. 

É elaborado na região de Canelones pela Antigua Bodega Stagnari, cuja história começa em 1910. Tem passagem de 6 meses por barricas de carvalho americano e tem 13,5% de álcool.

Na taça a coloração é púrpura, denotando jovialidade. Aromas em boa intensidade, frutos silvestres, frutos escuros, um tostado elegante da madeira, chocolate e pimenta. Bom conjunto. Na boca é seco (sem notas adocicadas) e encorpado, com taninos poderosos e ótima acidez. Vinho gastronômico. Frutos silvestres se destacam. 

Final de boa persistência, com frutos e madeira bem integrados. A acidez e os taninos causam a sensação de "mais um gole", pedindo um prato mais potente para acompanhar toda essa exuberância. 

Vinho ainda jovem, mas que parece não ter sido feito para grande guarda. Para aproveitar todos esses predicados acredito que deve ser consumido até 2019 (4 anos). O importador sugere consumir o vinho com queijos maduros e carnes grelhadas, mas no dia em que foi aberto aqui em casa acompanhou um belo hambúrguer e foi uma ótima experiência.  


Detalhes da compra

O vinho é importado pela Mercovino e comprei aqui em Uberlândia pagando R$73. 

* Esse é o 118º vinho que comento para nossa gloriosa Confraria, primeira e única no Brasil, em atividade desde 2007.  

Saúde a todos!




26 junho 2016

Vale a pena experimentar: Tierras Guindas Tempranillo Ribera del Duero DO 2012


Há alguns meses precisei comprar vinhos com a uva Tempranillo, porque iria escrever para nossa Confraria Brasileira de Enoblogs. Comprei várias garrafas, portanto.  

Embora não tenha trazido esses vinhos aqui para o blog, quero dizer que comprei muita coisa ruim, muitos vinhos insignificantes, daqueles que mesmo pagando pouco o arrependimento é grande. Então, confesso que adquiri certa resistência para comprar espanhóis com essa uva. 

Mas, abrimos há alguns dias esse vinho da Bodega Nexus, elaborado na famosa região de Ribera del Duero, com passagem de 4 meses por barricas de carvalho francês e 13,5% de álcool. 

Na taça tem coloração rubi, com reflexos violáceos, denotando jovialidade. Nos aromas muita intensidade, lembrança de frutos vermelhos frescos, como framboesa e cereja, discreta lembrança da passagem por madeira, com toques abaunilhados, além de especiarias. 

Na boca tem muita personalidade, médio corpo, taninos redondos, acidez mediana e ótimo equilíbrio. Fruta e madeira formam um conjunto harmonioso, de muita personalidade. Final persistente, repetindo a boa fruta, dando vontade de mais uma taça. 

Um Tempranillo de muita personalidade e que conseguiu apagar as experiências ruins que tive recentemente. Tem todas as características dessa uva e representa bem o estilo da região, sem exceder na madeira.  


Detalhes da compra

O vinho é importado pela Domno e vendido aqui em Uberlândia (MG) por R$ 72. 

Saúde a todos!



19 junho 2016

Um clássico nunca sai de moda :: Taylor's Select Reserve Port


É incrível como perdemos oportunidade de bebermos vinhos de sobremesa, principalmente os tradicionalíssimos vinhos do Porto. Parece que ainda não damos tanta importância à harmonização entre a sobremesa e o vinho, o que para os portugueses deve parecer um sinal de ignorância nossa e de certa forma incompreensível, já que o brasileiro tem um paladar tão adocicado pelo costume com frutas e doces.

Mas, esse débito que o blog tem com os vinhos de sobremesa hoje diminui um pouco e diria que de forma muito elegante! Isso porque no último dia 23 de maio o pessoal do Winebar realizou mais uma degustação virtual e recebi uma garrafa para participar e comentar aqui as minhas impressões. 

Dessa vez o evento aconteceu com os vinhos da Taylor's, casa mais que tradicional em Portugal, fundada em 1692, e sinônimo de qualidade quando se trata de Vinho do Porto. Quem participou como entrevistado foi o Fernando Seixas, diretor da vinícola, que bateu um papo descontraído com o Daniel Perches.  

* Para assistir ao programa pelo Youtube: https://goo.gl/ckdOyc

O vinho que me foi enviado para a degustação foi o Select Reserva, elaborado a partir de um lote de vinhos jovens produzidos nas áreas do Baixo Corgo e do Cima Corgo, na região demarcada do Douro. Segundo a vinícola, para a composição desse lote foram escolhidos vinhos "pela sua profundidade de cor, frutado intenso e paladar cheio e firme", estagiando cerca de três anos em tonéis de carvalho, mantendo seu frescor, frutado e cor. Tem 20% de teor alcoólico.

Não é um vinho para ser guardado por longo tempo, já que está pronto para o consumo logo após o seu engarrafamento. Ideal para acompanhar queijos mais estruturados e ricos, frutas secas e sobremesas feitas à base de chocolate.


Aqui em casa harmonizamos com uma torta da Doces Bárbaros, um lugar bem bacana para comprar doces aqui em Uberlândia. 

Na taça o vinho tem coloração vermelho rubi, com bordas alaranjadas (granada). Os aromas são elegantes e clássicos, lembrando frutos silvestres e uma pontinha de álcool aparecendo. Talvez seja a temperatura, porque não sirvo esses vinhos gelados, como vejo por aí em muitos restaurantes. O ideal é na casa dos 15º C. Em boca é untuoso e não tem um adocicado exagerado, pois a fruta abundante e a boa complexidade estão em harmonia com o dulçor. Final persistente, repetindo o frutado intenso.

Vinho para ser bebido já, porque tem um perfil mais frutado, menos complexos que outros estilos de vinhos do Porto. Não guarde!  


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Qualimpor e pode ser encontrado em lojas virtuais com preços variando entre R$89 e R$96. 

Saúde a todos!



12 junho 2016

Boa experiência: o estruturado e ainda jovem Lauca Reserva Cabernet Sauvignon 2012


Abrimos esse vinho em um dia de temperatura mais amena aqui no Triângulo Mineiro e gostamos bastante do resultado, especialmente porque ainda pode ser guardado por um tempo, além de não ser um vinho com aquelas notas exageradas lembrando pimentão e eucalipto que muitos Cabernet Sauvignon chilenos possuem. 

É elaborado pela Chilean Wines Company, que possui dez marcas distintas, sendo os vinhos Lauca elaborados com uvas do Vale do Maule, situado ao sul da capital Santiago e possui a maior extensão de vinhedos chilenos (28.500 hectares). Grande parte desses vinhedos (quase 1/3) são ocupados pela uva País, levada pelos espanhóis no século XVI. Outra variedade que tem feito sucesso é a Carignan, embora ocupe apenas 800 hectares. 

Vamos ao vinho. 

Na taça tem coloração púrpura. No nariz os aromas vêm em boa intensidade lembrando frutos vermelhos bem maduros, frutos negros, notas de especiarias (pimenta) e um tostado elegante proveniente da madeira. O vinho passou 8 meses por barricas de carvalho francês. 

Na boca é encorpado, seco, com fruta intensa em grande harmonia com as notas amadeiradas (tostado e baunilha). Os taninos ainda vão amadurecer com mais tempo em garrafa, estão ainda rascantes e formam um conjunto estruturado com a acidez mediana e os 14% de álcool. 

A fruta escura e o tostado da madeira deixam o vinho com um perfil mais sério, pedindo acompanhamento de comidas mais estruturadas também. Final de ótima persistência, repetindo todas as sensações do nariz e da boca. 

Sua estrutura permite uma guarda, sem riscos, por mais 2-3 anos. Se você gosta de decantar os vinhos esse aqui pode "abrir" seus aromas se deixado aerando por 20 minutinhos.  


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Mercovino e vendido aqui em Uberlândia (MG) por R$75.

Saúde a todos!




05 junho 2016

Vinhas de 75 anos deram ótimo resultado nesse Canepa Genovino Carignan 2010

Foto: Instagram @vinhoparatodos

Existe um livro que gosto muito, da jornalista Jancis Robinson, chamado "Como degustar vinhos", publicado pela Editora Globo. Em minha opinião é o mais completo guia de degustação que temos no mercado editorial brasileiro. 

Mas, sobre a uva carignan, com a qual o vinho de hoje é elaborado, a autora não é muito otimista. Veja o que ela diz (p. 155):

"foi por muitos anos, de longe, a uva mais plantada na França, porque era muito comum nas planíceis de alto rendimento do Languedoc. Seu cultivo era extremamente fácil em uma área em que os viticultores não se preocupavam em usar fios para expor ao sol as frutas e as folhas e deixavam a vinha crescer livremente em arbustos que se espalhavam pelo vinhedo. O vinho resultante era quase muito áspero e tinha um aroma rançoso e tosco (...). Não é uma uva nobre em minha opinião, embora as vinhas antigas ajudem". 

Com esse relato vindo de uma profissional tão gabaritada você compraria um vinho em faixa de preços não muito acessível (acima dos R$100) e ainda por cima para guardá-lo? 

Se a resposta for não, compreendo perfeitamente! Mas, contrariando a opinião da jornalista inglesa e considerando que desde 2007, no Vale do Maule, os chilenos estão apostando nessa uva para elaboração de grandes vinhos, resolvi apostar. Até porque bodegas importantes, como De Martino, Odfjell e Gillmore passaram a realizar experiências com a uva. 

Essa garrafa eu comprei em 2014. É elaborado pela Viña Canepa a partir de vinhas com mais de 75 anos de idade, passagem de 12 meses por barricas de carvalho e potencial de guarda variando entre 10 e 12 anos, segundo a vinícola. 

Já com seis anos de idade imaginei que fosse um momento interessante para abri-lo. Na taça tem coloração rubi, sem notas de evolução. Aromas em boa intensidade, elegantes, lembrando frutos vermelhos e negros, lembrança da passagem por madeira (leve tostado) e especiarias. Na boca tem corpo médio, taninos firmes e acidez mediana. Fruta e madeira em ótimo equilíbrio. Final de boa persistência. Tem 13,5% de álcool, sem incomodar.

Vinho mais elegante do que potente. Parece que a idade deixou o vinho mais dócil, não se parecendo com os parrudos cabernet sauvignon ou carmenère chilenos. Boa aposta da vinícola, sem dúvida.      


Detalhes da compra:

Não me lembro quanto paguei pela garrafa em 2014, mas atualmente é vendido na faixa dos R$130-150.

Saúde a todos!