17 julho 2018

Ótima compra :: Perez Cruz Reserva Cabernet Sauvignon 2015



País: Chile

Região: Vale do Maipo
Produtor: Perez Cruz
Uvas: 94% Cabernet Sauvignon, 4% Carmenère e 2% Cabernet Franc
Maturação: 12 meses em barricas 60% americanas e 50% francesas
Álcool: 13,5%

Há algum tempo - entre amigos - tenho confidenciado que o tempo de estrada tem me deixado mais propenso aos vinhos mais elegantes, sem excessos, daqueles que posso beber por horas sem que isso me traga embriaguez, nem me chame demais a atenção para pontos positivos ou negativos. Enfim, estou ficando velho e quero tranquilidade inclusive nos vinhos! Pronto, falei!

Ao abrir esse Cabernet Sauvignon eu esperava um vinho de alta qualidade em razão de seu produtor, mas fiquei especialmente contagiado porque ele reúne tudo isso que escrevi acima. Tem o vegetal dos CS chilenos? Tem. Aquele pimentão? Tem. Mas é tão macio, tão redondo, tão agradável, que eu sinceramente queria outra garrafa para abrir naquele domingo. Mas, infelizmente eu só tinha essa!

Na taça cor de Cabernet Chileno, ora pois!

Aromas de frutos vermelhos maduros, baunilha, pimenta e alguns frutos secos. Na boca é suculento, taninos macios e acidez mais alta que a maioria dos tintos chilenos que conheço. Sem excessos de madeira e vegetais. Harmônico e elegante, com fim de boca persistente. 

Considero uma excelente compra, mesmo com preço acima da média dos vinhos que costumo comprar. Valeu a experiência!


Detalhes da compra:

O vinho é importado pelo Olivetto Bar & Mar, de Campinas (SP) e encontrado no mercado na faixa dos R$70-75.

Saúde a todos!



07 julho 2018

Frescor e elegância :: Braccobosca Ombú Sauvignon Blanc 2016


País: Uruguai
Região: Atlantida
Produtor: Braccobosca
Uvas: Sauvignon Blanc
Maturação: sem passagem por madeira
Álcool: 13%

Consigo me lembrar a primeira vez que provei um Sauvignon Blanc uruguaio: foi em um restaurante em Ilhabela e a lembrança que guardo é a de um vinho mais elegante, menos intenso nos aromas e sabores que os vizinhos chilenos, por exemplo. Lembro de ter gostado do equilíbrio. 

Ao provar esse vinho de hoje voltei alguns anos no tempo. 

Na taça tem coloração amarelo palha, com reflexos esverdeados. Nos aromas é fresco, com notas florais e minerais. Cheguei a anotar no Vivino: "um branco menos vegetal que os chilenos, tão mineral quanto alguns argentinos".

Em boca muito equilíbrio, encontrando frutos brancos, notas cítricas e nuances minerais. Boa acidez. Vinho puxando para a maciez, sem deixar de lado o frescor. Final de boa persistência, com algo vegetal e lembrança mineral no palato. 

Gostei mais desse que dos tintos provados da mesma linha. 


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Domno do Brasil, que o vende em sua loja virtual por R$ 96.

Saúde a todos!






27 junho 2018

Correto e agradável :: Real Compañía de Vinos Garnacha 2015


País: Espanha
Região: Castilla y León
Produtor: Real Compañia de Vinos
Uvas: Garnacha
Maturação: sem passagem por madeira
Álcool: 14,5%

Quando vejo uma garrafa de Garnacha me lembro de vinhos mais potentes, "quentes", boa estrutura e cor, características normalmente ligadas às regiões em que são produzidas as uvas. 

Esse aqui não é diferente, sendo interessante como aperitivo ou para acompanhar carnes vermelhas em geral. Fácil de beber, agradará mesmo os paladares iniciantes no mundo dos vinhos finos. 

Tem corpo médio. Fruta bem franca, ameixa e algo sintético também. Notas salgadas, dando impressão de certa mineralidade. Taninos macios, acidez mediana. Uma pontinha de álcool aparecendo, mas sem desequilibrar.

Pelo preço é uma compra interessante para ser um vinho do dia-a-dia, se você gostar do estilo!  


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Winebrands, que o vende em sua loja virtual por R$ 56.

Saúde a todos!



17 junho 2018

Ótima surpresa :: Yalumba The Y Series Shiraz Viognier 2014


País: Austrália
Região: South Australia
Produtor: Yalumba
Uvas: Shiraz (95%) e Viognier (5%)
Maturação: sem informações
Álcool: 14%

De vez em quando me pego pensando na mesmice dos vinhos que ando bebendo. Mas, quem tem amigos tem tudo... e dia desses o Cristiano Orlandi (Vivendo Vinhos) trouxe aqui para casa esse Australiano que ele disse ter sido uma excelente compra, porque comprou algumas garrafas na faixa dos R$50 aproveitando uma promoção. Fiquei empolgado duplamente. 

A Shiraz é a uva tinta que simboliza melhor os vinhos australianos e esse vinho tem uma pitada de Viognier, uva branca que dá uma acalmada na tinta também na região francesa do Rhône e na África do Sul.  

Na taça um vermelho rubi, bem brilhante e límpido. 

Interessante nos aromas, com notas de ameixa, cereja e condimentos. Corpo médio, taninos macios, acidez mediana. Muito agradável, fresco, fruta franca, notas levemente adocicadas. Final persistente. Álcool aparecendo, sem ser desequilibrado. Ótima surpresa. 

Consultando o site do importador encontrei essas sugestões de harmonização: "cupim assado com purê de nabo, espaguete à amatriciana, risoto de berinjela e tomate, frango assado recheado com farofa de bacon, carne seca na moranga, e queijos semiduros".


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Wine, que o vende em seu site na faixa dos R$ 88 para quem é sócio de seu clube. O preço normal é R$ 103. 

Saúde a todos!





10 junho 2018

Semana de sorte :: Clearwater Cove Pinot Noir South Island 2016


País: Nova Zelândia
Região: Marlborough
Produtor: Clearwater Cove
Uvas: 100% Pinot Noir
Maturação: em carvalho francês durante fermentação malolática
Álcool: 13,5%

Parece que a semana em que provei o Pinot chileno (post anterior) estava bem propícia aos vinhos com essa uva, tanto que comprei esse da Nova Zelândia, país que gosto muito especialmente por seus brancos com a Sauvignon Blanc e tintos com essa "estrela da Borgonha". 

Estilo dos Pinot da Nova Zelândia, com frescor, leveza e sem exageros vegetais. Tem coloração rubi, límpido e com boa transparência. Aromas intensos lembrando frutos negros e vermelhos. De corpo leve, tem boa acidez e um "aveludado" que lhe confere um caráter macio. Equilibrado, tem final medianamente persistente.

Boa experiência. Ideal para queijos leves, bruschetas, tábuas de frios e outros aperitivos.


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Domno do Brasil, que o vende em sua loja virtual por R$ 109.

Saúde a todos!






03 junho 2018

Meu número :: Villard Expresión Reserve Pinot Noir 2016


País: Chile
Região: Vale de Casablanca
Produtor: Villard
Uvas: 100% Pinot Noir
Maturação: 15% do vinho passam 9 meses em barricas francesas
Álcool: 13,5%

Há tempos queria provar um Pinot Noir, uva que já foi muito frequente aqui em casa, mas com tantas experiências muito semelhantes ou pouco interessantes, acabei me afastando um pouco dela. Mas, ao encontrar esse vinho de um produtor de origem francesa e pertencente ao MOVI - movimento chileno de vinhateiros independentes, pensei que a experiência pudesse ser boa. E foi ótima!

O vinho tem sotaque francês, não porque a família de produtores tem origem por aquelas plagas, mas é porque na taça apresentou esse resultado, sem notas vegetais/herbáceas enjoativas e muita personalidade. Um vinho sério, elegante, com boa fruta e - infelizmente - veio em uma garrafa com 'apenas' 750 ml!!

Coloração rubi na taça. Típicos aromas da variedade, como morango, framboesa, notas tostadas vindas da madeira e especiarias em segundo plano. Mais encorpado que a média, mas nem por isso trouxe nuances enjoativas de madeira, excesso de fruta ou álcool. Fresco, com taninos finos e acidez mediana. Um belo conjunto. 

Sem mais, indico como acompanhante de massas com molho de cogumelos e aves assadas. Para acompanhar a culinária oriental também é uma boa pedida, embora tenha certa potência e pode não combinar tanto com a delicadeza de alguns pratos. 

Um dos Pinot que estão guardados com carinho em minha memória recente!


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Decanter, que o vende em seu site por R$ 115.

Saúde a todos!



29 maio 2018

Muita elegância nesse rosé :: Cipresseto Rosato Toscana IGT 2015



País: Itália

Região: Toscana
Uvas: 85% Sanviogese e 15% de outras variedades
Maturação: não passa por madeira
Álcool: 11,5%

Sempre fico tentado a provar um rosé italiano, porque gosto de seu frescor e delicadeza. Normalmente tem menos extração de fruta do que os exemplares do Novo Mundo, especialmente os da América do Sul que tanto conhecemos. 

Esse foi uma experiência bem interessante, embora a faixa de preços esteja um pouco acima do que costumo pagar no meu dia-a-dia, mas isso é uma questão particular que nada interfere na qualidade do vinho. 

Um rosé de cor elegante, acobreada, lembrando casca de cebola. Nos aromas tem delicadeza, frutado. Na boca confirma elegância, mas tem uma acidez viva e um frutado bem presente, lembrando frutos vermelhos silvestres como framboesa e cereja. Bom equilíbrio entre seus componentes, com acidez gastronômica e um frutado que não é enjoativo, mas elegante. Final longo, bastante fresco. 

Não tive como não lembrar da culinária oriental para acompanhar esse vinho, bem como saladas de vários tipos e peixes assados. Apenas como aperitivo, embora muitíssimo agradável, eu não gastaria o preço da garrafa, porque é um vinho que merece um acompanhamento à altura. 


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Winebrands, que vende o vende em seu site na casa dos R$ 130.

Saúde a todos!



08 abril 2018

Boa compra por menos de R$50 :: Finca Las Moras Viognier 2017


País: Argentina
Região: San Juan (Pedernal)
Produtor: Finca Las Moras
Uvas: 100% Viognier
Maturação: sem madeira, apenas 3-4 meses nos tanques de inox
Álcool: 12,5%

Comprei esse vinho por dois motivos simples: gosta da uva Viognier e minha esposa conhece a vinícola e fez várias recomendações positivas. Pagando pouco menos de R$50 achei que seria uma experiência interessante. E foi. 

Não é um vinho excepcional. Confesso que já provei outros Viognier mais impactantes e encantadores, principalmente aqueles mais maduros. Mas, esse aqui ganha pontos por seu frescor e equilíbrio. 

Sem passagem por madeira é um vinho muito franco em aromas e sabores, com uma infinidade de opções para harmonizar: moqueca capixada, paella, pratos da cozinha oriental (até mesmo aqueles condimentados), peixe frito, saladas de folhas etc. Pratos que pedem vinhos frescos!

Na taça a coloração é amarelo palha. Nos aromas uma boa expressividade com frutos maduros como abacaxi, laranja e um floral muito fresco. Leve mineralidade em segundo plano. De corpo leve-médio, tem bom equilíbrio e frescor, apesar da acidez um tanto modesta. 

Não é um vinho para longa guarda, podendo suportar mais 1 ano em garrafa tranquilamente. Servido mais gelado deu a ótima sensação de frescor. Um pouco mais quente não deixou o álcool aparecer. Final mediano, bem prazeroso.   


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Decanter, que o vende em seu site por R$ 49. Boa compra!

Saúde a todos!



29 março 2018

Se tiver oportunidade não deixe escapar :: Livon Pinot Grigio Collio DOC 2015


País: Itália
Região: Collio DOC (Friulli)
Produtor: Livon
Uvas: 100% Pinot Grigio
Maturação: sem informações
Álcool: 12,5%

Fiquei muito entusiasmado com esse vinho. Talvez até deveria usar a palavra encantado, mas vou preferir descontar algum percentual de álcool e as boas energias que talvez estivessem vigorando no momento. 

O fato é que, independente da palavra usada, esse é um Pinot Grigio que merece ser degustado, se você gosta de vinhos brancos e prefere a elegância e delicadeza. Se sua praia são apenas os Chardonnay com madeira sobrando, talvez vá se decepcionar com este aqui. 

Na taça a cor é clássica, um amarelo palha característico da variedade. Bons aromas, florais, algo cítrico e um toque de baunilha e nozes. Vinho de pouco corpo, mas aveludado, muito elegante, equilibrado. Tem um final de grande persistência e grande capacidade de harmonização, embora seja muito prazeroso se bebido sozinho.  

Essa elegância e equilíbrio são conseguidos com cinco meses de amadurecimento nos próprios tanques de inox após o fim da fermentação. Após engarrafado segue mais um "longo período", segundo o produtor, para afinamento em garrafa antes de ser colocado no mercado.    

Embora seja um vinho branco menos encorpado e sem passagem por madeira o produtor estima guarda entre 4 e 5 anos. Harmonizará com risotos, carne branca, aves e sopas (minestrone).  


Detalhes da compra:

É importado pela Mercovino. Não é um vinho barato (faixa dos $150), mas se você é apreciador de vinhos brancos vale a pena. 

Saúde a todos!



18 março 2018

Tinto de personalidade :: Crasto Etiqueta Negra Reserva Douro 2014


País: Portugal
Região: Douro
Produtor: Quinta do Crasto
Uvas: Touriga Nacional, Sousão, Tinta Roriz e Touriga Franca
Maturação: sem informações
Álcool: 14,5%

Esse é daqueles vinhos prazerosos, que no primeiro gole você já sabe que fez uma boa compra, que vai te dar alegrias, que vai harmonizar bem com muitos pratos etc, etc. 

Particularmente tenho uma predileção por vinhos do Douro, dentre os portugueses. Se pedirem para eu me lembrar de ótimos vinhos que bebi daquelas terras a maioria deles vai ser de durienses, em que pese eu gostar de todas as regiões portuguesas, cada uma com seus encantos. 

O produtor é tradicional e reconhecido, com vinhos de qualidade desde suas linhas mais básicas. Esse não poderia contrariar a regra.   

Vinho já com quase quatro anos de idade, o que provavelmente lhe deixou mais harmônico e equilibrado, mas ainda tem potência para evoluir por 1-2 anos em garrafa.

Vinho de coloração púrpura, com aromas lembrando cereja, amora, cereja, notas de chocolate, especiarias e boa lembrança da madeira. Tem corpo médio, taninos ainda vivos, levemente rascantes. Boa acidez, fruta madura. Gastronômico.

Sem dúvida alguma tem passagem por madeira, até porque para receber essa indicação de "reserva" deve ter passado, ao menos, 12 meses de estágio em barricas. 

Um tinto muito interessante, mas é vinho seco, sem notas adocicadas. Cuidado, se você gosta de vinhos com muita fruta, notas adocicadas e madeira exagerada!


Detalhes da compra:

O vinho é (ou foi) importado pela Wine. Seu preço de mercado está na faixa dos R$ 160-170.

Saúde a todos!