17 junho 2018

Ótima surpresa :: Yalumba The Y Series Shiraz Viognier 2014


País: Austrália
Região: South Australia
Produtor: Yalumba
Uvas: Shiraz (95%) e Viognier (5%)
Maturação: sem informações
Álcool: 14%

De vez em quando me pego pensando na mesmice dos vinhos que ando bebendo. Mas, quem tem amigos tem tudo... e dia desses o Cristiano Orlandi (Vivendo Vinhos) trouxe aqui para casa esse Australiano que ele disse ter sido uma excelente compra, porque comprou algumas garrafas na faixa dos R$50 aproveitando uma promoção. Fiquei empolgado duplamente. 

A Shiraz é a uva tinta que simboliza melhor os vinhos australianos e esse vinho tem uma pitada de Viognier, uva branca que dá uma acalmada na tinta também na região francesa do Rhône e na África do Sul.  

Na taça um vermelho rubi, bem brilhante e límpido. 

Interessante nos aromas, com notas de ameixa, cereja e condimentos. Corpo médio, taninos macios, acidez mediana. Muito agradável, fresco, fruta franca, notas levemente adocicadas. Final persistente. Álcool aparecendo, sem ser desequilibrado. Ótima surpresa. 

Consultando o site do importador encontrei essas sugestões de harmonização: "cupim assado com purê de nabo, espaguete à amatriciana, risoto de berinjela e tomate, frango assado recheado com farofa de bacon, carne seca na moranga, e queijos semiduros".


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Wine, que o vende em seu site na faixa dos R$ 88 para quem é sócio de seu clube. O preço normal é R$ 103. 

Saúde a todos!





10 junho 2018

Semana de sorte :: Clearwater Cove Pinot Noir South Island 2016


País: Nova Zelândia
Região: Marlborough
Produtor: Clearwater Cove
Uvas: 100% Pinot Noir
Maturação: em carvalho francês durante fermentação malolática
Álcool: 13,5%

Parece que a semana em que provei o Pinot chileno (post anterior) estava bem propícia aos vinhos com essa uva, tanto que comprei esse da Nova Zelândia, país que gosto muito especialmente por seus brancos com a Sauvignon Blanc e tintos com essa "estrela da Borgonha". 

Estilo dos Pinot da Nova Zelândia, com frescor, leveza e sem exageros vegetais. Tem coloração rubi, límpido e com boa transparência. Aromas intensos lembrando frutos negros e vermelhos. De corpo leve, tem boa acidez e um "aveludado" que lhe confere um caráter macio. Equilibrado, tem final medianamente persistente.

Boa experiência. Ideal para queijos leves, bruschetas, tábuas de frios e outros aperitivos.


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Domno do Brasil, que o vende em sua loja virtual por R$ 109.

Saúde a todos!






03 junho 2018

Meu número :: Villard Expresión Reserve Pinot Noir 2016


País: Chile
Região: Vale de Casablanca
Produtor: Villard
Uvas: 100% Pinot Noir
Maturação: 15% do vinho passam 9 meses em barricas francesas
Álcool: 13,5%

Há tempos queria provar um Pinot Noir, uva que já foi muito frequente aqui em casa, mas com tantas experiências muito semelhantes ou pouco interessantes, acabei me afastando um pouco dela. Mas, ao encontrar esse vinho de um produtor de origem francesa e pertencente ao MOVI - movimento chileno de vinhateiros independentes, pensei que a experiência pudesse ser boa. E foi ótima!

O vinho tem sotaque francês, não porque a família de produtores tem origem por aquelas plagas, mas é porque na taça apresentou esse resultado, sem notas vegetais/herbáceas enjoativas e muita personalidade. Um vinho sério, elegante, com boa fruta e - infelizmente - veio em uma garrafa com 'apenas' 750 ml!!

Coloração rubi na taça. Típicos aromas da variedade, como morango, framboesa, notas tostadas vindas da madeira e especiarias em segundo plano. Mais encorpado que a média, mas nem por isso trouxe nuances enjoativas de madeira, excesso de fruta ou álcool. Fresco, com taninos finos e acidez mediana. Um belo conjunto. 

Sem mais, indico como acompanhante de massas com molho de cogumelos e aves assadas. Para acompanhar a culinária oriental também é uma boa pedida, embora tenha certa potência e pode não combinar tanto com a delicadeza de alguns pratos. 

Um dos Pinot que estão guardados com carinho em minha memória recente!


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Decanter, que o vende em seu site por R$ 115.

Saúde a todos!



29 maio 2018

Muita elegância nesse rosé :: Cipresseto Rosato Toscana IGT 2015



País: Itália

Região: Toscana
Uvas: 85% Sanviogese e 15% de outras variedades
Maturação: não passa por madeira
Álcool: 11,5%

Sempre fico tentado a provar um rosé italiano, porque gosto de seu frescor e delicadeza. Normalmente tem menos extração de fruta do que os exemplares do Novo Mundo, especialmente os da América do Sul que tanto conhecemos. 

Esse foi uma experiência bem interessante, embora a faixa de preços esteja um pouco acima do que costumo pagar no meu dia-a-dia, mas isso é uma questão particular que nada interfere na qualidade do vinho. 

Um rosé de cor elegante, acobreada, lembrando casca de cebola. Nos aromas tem delicadeza, frutado. Na boca confirma elegância, mas tem uma acidez viva e um frutado bem presente, lembrando frutos vermelhos silvestres como framboesa e cereja. Bom equilíbrio entre seus componentes, com acidez gastronômica e um frutado que não é enjoativo, mas elegante. Final longo, bastante fresco. 

Não tive como não lembrar da culinária oriental para acompanhar esse vinho, bem como saladas de vários tipos e peixes assados. Apenas como aperitivo, embora muitíssimo agradável, eu não gastaria o preço da garrafa, porque é um vinho que merece um acompanhamento à altura. 


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Winebrands, que vende o vende em seu site na casa dos R$ 130.

Saúde a todos!



08 abril 2018

Boa compra por menos de R$50 :: Finca Las Moras Viognier 2017


País: Argentina
Região: San Juan (Pedernal)
Produtor: Finca Las Moras
Uvas: 100% Viognier
Maturação: sem madeira, apenas 3-4 meses nos tanques de inox
Álcool: 12,5%

Comprei esse vinho por dois motivos simples: gosta da uva Viognier e minha esposa conhece a vinícola e fez várias recomendações positivas. Pagando pouco menos de R$50 achei que seria uma experiência interessante. E foi. 

Não é um vinho excepcional. Confesso que já provei outros Viognier mais impactantes e encantadores, principalmente aqueles mais maduros. Mas, esse aqui ganha pontos por seu frescor e equilíbrio. 

Sem passagem por madeira é um vinho muito franco em aromas e sabores, com uma infinidade de opções para harmonizar: moqueca capixada, paella, pratos da cozinha oriental (até mesmo aqueles condimentados), peixe frito, saladas de folhas etc. Pratos que pedem vinhos frescos!

Na taça a coloração é amarelo palha. Nos aromas uma boa expressividade com frutos maduros como abacaxi, laranja e um floral muito fresco. Leve mineralidade em segundo plano. De corpo leve-médio, tem bom equilíbrio e frescor, apesar da acidez um tanto modesta. 

Não é um vinho para longa guarda, podendo suportar mais 1 ano em garrafa tranquilamente. Servido mais gelado deu a ótima sensação de frescor. Um pouco mais quente não deixou o álcool aparecer. Final mediano, bem prazeroso.   


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Decanter, que o vende em seu site por R$ 49. Boa compra!

Saúde a todos!



29 março 2018

Se tiver oportunidade não deixe escapar :: Livon Pinot Grigio Collio DOC 2015


País: Itália
Região: Collio DOC (Friulli)
Produtor: Livon
Uvas: 100% Pinot Grigio
Maturação: sem informações
Álcool: 12,5%

Fiquei muito entusiasmado com esse vinho. Talvez até deveria usar a palavra encantado, mas vou preferir descontar algum percentual de álcool e as boas energias que talvez estivessem vigorando no momento. 

O fato é que, independente da palavra usada, esse é um Pinot Grigio que merece ser degustado, se você gosta de vinhos brancos e prefere a elegância e delicadeza. Se sua praia são apenas os Chardonnay com madeira sobrando, talvez vá se decepcionar com este aqui. 

Na taça a cor é clássica, um amarelo palha característico da variedade. Bons aromas, florais, algo cítrico e um toque de baunilha e nozes. Vinho de pouco corpo, mas aveludado, muito elegante, equilibrado. Tem um final de grande persistência e grande capacidade de harmonização, embora seja muito prazeroso se bebido sozinho.  

Essa elegância e equilíbrio são conseguidos com cinco meses de amadurecimento nos próprios tanques de inox após o fim da fermentação. Após engarrafado segue mais um "longo período", segundo o produtor, para afinamento em garrafa antes de ser colocado no mercado.    

Embora seja um vinho branco menos encorpado e sem passagem por madeira o produtor estima guarda entre 4 e 5 anos. Harmonizará com risotos, carne branca, aves e sopas (minestrone).  


Detalhes da compra:

É importado pela Mercovino. Não é um vinho barato (faixa dos $150), mas se você é apreciador de vinhos brancos vale a pena. 

Saúde a todos!



18 março 2018

Tinto de personalidade :: Crasto Etiqueta Negra Reserva Douro 2014


País: Portugal
Região: Douro
Produtor: Quinta do Crasto
Uvas: Touriga Nacional, Sousão, Tinta Roriz e Touriga Franca
Maturação: sem informações
Álcool: 14,5%

Esse é daqueles vinhos prazerosos, que no primeiro gole você já sabe que fez uma boa compra, que vai te dar alegrias, que vai harmonizar bem com muitos pratos etc, etc. 

Particularmente tenho uma predileção por vinhos do Douro, dentre os portugueses. Se pedirem para eu me lembrar de ótimos vinhos que bebi daquelas terras a maioria deles vai ser de durienses, em que pese eu gostar de todas as regiões portuguesas, cada uma com seus encantos. 

O produtor é tradicional e reconhecido, com vinhos de qualidade desde suas linhas mais básicas. Esse não poderia contrariar a regra.   

Vinho já com quase quatro anos de idade, o que provavelmente lhe deixou mais harmônico e equilibrado, mas ainda tem potência para evoluir por 1-2 anos em garrafa.

Vinho de coloração púrpura, com aromas lembrando cereja, amora, cereja, notas de chocolate, especiarias e boa lembrança da madeira. Tem corpo médio, taninos ainda vivos, levemente rascantes. Boa acidez, fruta madura. Gastronômico.

Sem dúvida alguma tem passagem por madeira, até porque para receber essa indicação de "reserva" deve ter passado, ao menos, 12 meses de estágio em barricas. 

Um tinto muito interessante, mas é vinho seco, sem notas adocicadas. Cuidado, se você gosta de vinhos com muita fruta, notas adocicadas e madeira exagerada!


Detalhes da compra:

O vinho é (ou foi) importado pela Wine. Seu preço de mercado está na faixa dos R$ 160-170.

Saúde a todos!



08 março 2018

Divulgação :: Orestes de Andrade Jr. é o novo presidente da ABS-RS

Quem lê esse blog há algum tempo sabe que não costumo replicar notícias, mas abro exceção sempre que encontro motivos para isso. Hoje, o motivo é divulgar que o amigo Orestes de Andrade Jr., jornalista com muita história no mundo do vinho, assumirá a presidência da ABS-RS. 

Compartilho abaixo a nota que recebi da Assessoria da ABS-RS. 


Orestes de Andrade Jr. é o novo presidente da ABS-RS

Orestes de Andrade Jr. é o novo presidente da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS-RS). O jornalista, radialista e sommelier ficará três anos no comando da secção gaúcha da ABS. Ele sucede Andreia Gentilini Milan, que será a diretora financeira da entidade para o triênio 2018-2020. Orestes Jr. era vice-presidente da ABS-RS, cargo que agora será ocupado pelo jornalista Marcos Graciani. O secretário da nova diretoria é o também jornalista Maurício Roloff. Todos são sommeliers formados pela ABS-RS, que tem entre seus objetivos a formação de profissionais para a cadeia do vinho e da gastronomia.

“Vamos continuar trabalhando em equipe para consolidar o papel de incentivador da cultura do vinho no Rio Grande do Sul, com foco na melhoria do serviço em bares e restaurantes, com especial atenção aos produtos elaborados no Brasil”, afirma Orestes Jr. O novo presidente da ABS-RS ainda diz que entre as metas da sua gestão está o aumento das turmas do Curso de Sommelier Profissional, o incremento de parcerias com vinícolas e importadoras e a implementação de atividades regulares para os associados da entidade.

Sobre o número de associados, que hoje são 53, a meta é chegar a 200 em três anos. “A Andreia fez o mais difícil, iniciar e seguir com regularidade e qualidade as atividades da ABS-RS. Agora o desafio é manter o que já foi conquistado e avançar ainda mais”, observa Orestes Jr. “Tornamos realidade o sonho antigo de ter uma unidade da ABS no Rio Grande do Sul, principal polo produtor da bebida no Brasil”, comemora Andreia Gentilini Milan, que deixa a presidência da entidade, ressaltando o suporte e a parceria da ABS-SP durante todo o seu mandato.

A sede da ABS-RS segue no Spa do Vinho Hotel e Condomínio Vitivinícola, em Bento Gonçalves, no coração do Vale dos Vinhedos. “Mas teremos uma subsede em Porto Alegre, que receberá a maioria das nossas atividades”, revela Orestes Jr. Em três anos, a ABS-RS formou 230 sommeliers no RS. O grande diferencial dos cursos oferecidos é que eles ocorrem dentro das vinícolas da serra gaúcha. Isso atrai interessados de todo o Brasil. No último curso aberto no início de março, estão presentes alunos de seis estados – Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Maranhão.

NOVA DIRETORIA DA ABS-RS | 2018/2020

Presidente: Orestes de Andrade Jr.
Vice-presidente: Marcos Graciani
Diretor Tesoureiro: Andreia Gentilini Milan
Secretário e Diretor Executivo da Área Técnica: Maurício Roloff
Diretor executivo Institucional: Júlio César Kunz
Diretor executivo de Marketing: Marcelo Vargas
Diretor executivo de Cursos: Vinícius Santiago

CONSELHO FISCAL

Silvana Gentilini
Débora Paixão
Jean Sonza

08 fevereiro 2018

No carrinho do supermercado :: Cremaschi Furlotti Tucapel Gran Reserva Pinot Noir 2016


País: Chile
Região: Vale do Loncomilla
Produtor: Cremaschi Furlotti
Uvas: 100% Pinot Noir
Maturação: não obtive informações a respeito, nem no site da vinícola
Álcool: 13%

Há muitos anos parei de escrever sobre vinhos que não aprecio tanto, porque o risco de ser injusto com um produtor é grande. Posso ter comprado uma garrafa que foi mal armazenada, por exemplo. Então, escrever sobre esse tipo de vinho não me parece correto e não nos levará a lugar algum.

Hoje abro uma exceção, mas me explico imediatamente!

Quando degustei esse vinho e publiquei uma foto no Instagram, lamentando o fato de que não era o vinho que esperava, o amigo Jeriel da Costa, blogueiro dos mais antigos e experientes, me enviou mensagem dizendo que gostou bastante da safra 2015, sendo inclusive eleito o "vinho do mês" em seu site (veja aqui). 

Diante desse fato entendo pertinente publicar minha opinião a respeito da safra 2016, mas alertar que há opinião importante a respeito da qualidade do vinho de 2015. Portanto, devemos usar a dúvida (ou as opiniões distintas) em favor do vinho. 

Na taça o vinho tem uma bela coloração rubi, com a transparência característica dos Pinot Noir. Aromas frutados e delicados, lembrando frutos silvestres e notas florais, especialmente violetas. Em boca é leve, com taninos finos e acidez mediana. A fruta silvestre é muito agradável, deixando o vinho convidativo como aperitivo ou para acompanhar pratos mais delicados. Final de média persistência.  

O único senão para mim foi a madeira. Deu uma impressão de que não está bem integrada... ou que esteja "desconectada" do conjunto. Isso é normal em vinhos que não deveriam passar por tanta madeira ou por aqueles que não passaram por barricas, mas tiveram chips de carvalho adicionados durante a fermentação ou maturação. Enfim, a madeira não fez bem ao conjunto, embora o vinho seja agradável. 

Na dúvida, creio que o leitor deve experimentar o vinho e tirar suas próprias conclusões. Mesmo que não seja o vinho mais interessante do ano, não haverá grande problema porque é de preço bem acessível.


Detalhes da compra: 

O vinho é importado pelo Carrefour, que o vende em sua loja de Uberlândia a R$ 47. 

Saúde a todos!





23 janeiro 2018

Boa pedida por R$ 60 :: Haras de Pirque Reserva Chardonnay 2017


País: Chile
Região: Vale de Casablanca
Produtor: Haras de Pirque
Uvas: 100% Chardonnay
Maturação: 30% do vinho fermentam em um mix de barricas de carvalho francês novas, de 1º e 2º usos, seguido por amadurecimento de seis meses nas mesmas barricas.
Álcool: 13,5%

Quando comprei essa garrafa a palavra "reserva" no contra-rótulo já me dava pista de que seria um vinho de estilo mais maduro, com aquelas notas mais adocicadas, frutos tropicais, mas com mineralidade, já que a região de cultivo das uvas proporciona isso aos seus vinhos em razão da proximidade com o Oceano Pacífico. 

Realmente, o vinho é de estilo que lembra os Chardonnay californianos. Coloração amarelo palha. Aromas intensos, muito tropicais, frutos brancos maduros, banana, abacaxi em calda, uma sensação amigavelmente adocicada já no nariz. 

Em boca o estilo se confirma, mas sem ser enjoativo. Acidez mediana, muito maduro, tropical, amigável. Final persistente, com uma nota mineral caprichosamente escondida. Gostei bastante, embora esperasse mais nuances minerais. 

Harmonizará com uma infinidade de carnes brancas, frutos do mar, peixes com molhos mais densos e massas com molho branco.


Detalhes da compra

Esse vinho é importado pela Winebrands e comprei essa garrafa aqui em Uberlândia por R$60. 

Saúde a todos!