17 julho 2006

Alandra Tinto

Um ponto negativo deste vinho é a falta de indicação da safra. Tirando esse fato, é um vinho muito bom, produzido pela Herdade do Esporão, em pleno coração do Alentejo, a 180 km ao sul de Lisboa, em Reguengos de Mosaraz.
Utiliza em sua composição as castas moreto e castelão, nativas de Portugal. Boa fruta (uvas e amoras), com pouca presença do álcool. Uma cor rubi muito bonita, com formação de lágrimas em virtude de seu teor alcoólico (13%). No copo, de início, lembra terra molhada. Tem final persistente em que a fruta predomina. É leve, jovem, fresco, pouco ácido e extremamente agradável. Um vinho diferente em virtude das castas utilizadas. Excelente custo benefício, pelo qual paguei R$ 19,90.
Degustado em 27 de maio de 2006.


11 comentários:

João Barbosa disse...

Este vinho não tem indicação de colheita, porque a própria lei não lhe permite ter. Em Portugal, a lei estabelece três níveis para o vinho: DOC (denominação de origem controlada), vinho regional e vinho de mesa, às quais se associa um patamar qualitativo.
Neste ponto convém esclarecer que na verdade não existe uma clara diferença qualitativa entre os DOC e os vinhos regionais, sendo o seu muitas uma opção do próprio produtor, uma vez que o selo de garantia implica custos.
Contudo, a certificação de qualidade e de denominação existe.
O Alandra (tanto o tinto como o branco) é um vinho da categoria indiferenciada, que pode ser feito com uvas de qualquer proveniência e que não tem qualquer tratamento de privilégio, não podendo sequer indicar a data de vindima.
Contudo há que dizer que a Finagra, empresa produtora do Alandra, é uma casa séria e que o Alandra é um vinho corrente melhor do que a maioria dos vinhos do seu padrão.
Há um facto curioso nisto tudo que é são dois dos mais reputados produtores portugueses, Álvaro de Castro (Dão) e Dirk Niepoort (Douro) fazem juntos um dos melhores vinhos portugueses, o Dado, que por ter uvas das duas regiões é classificado como vinho de mesa, não pode referir aquelas regiões nem fazer referência clara à data de vindima.
saudações e desculpa por este longuíssimo comentário

Vinho para Todos disse...

João, seu comentário foi muito didático, possibilitando conhecermos os motivos pelos quais o Alandra não traz a safra. Obrigado e volte sempre!

Anônimo disse...

parece que meu comentário falhou. vou repetir. ótimo comentário do João, como sempre. E o Dado é um vinho que não dispenso.

Carlos Eduardo disse...

Obrigado Joao. Boa info.

Margareth Gheller disse...

João, eu e meu marido adoramos o Alandra.
Gostei muito de saber tudo isso.
Margareth Ghelleri

Anônimo disse...

José,\irmão

Não conhecia este vinho, porém esperimentei e o achei muito bom, excelente qualidade, buquê maravilhoso, realmente muito leve, sua cor rubi desperta uma leveza sem limites. O paladar agradece. recomendo.

Anônimo disse...

,João,foi importante a sua avaliação. Como meu marido é médico,ele ganha muitos vinhos e nunca sei avaliar.Sempre vou por indicação.
Quando vou comprar,sempre vou pelo preço,o que nem sempre é o mais indicado.
abraço
Babete

Anônimo disse...

,João,foi importante a sua avaliação. Como meu marido é médico,ele ganha muitos vinhos e nunca sei avaliar.Sempre vou por indicação.
Quando vou comprar,sempre vou pelo preço,o que nem sempre é o mais indicado.
abraço
Babete

F.Pereira disse...

é o mais aproximado do Monte Velho tinto do esporão, vinho de bom volume na boca, pouco acido, sente se pouco o alcool com excelente sabor a fruta madura.

Leonardo Lopes disse...

Serei breve. Pra chegar a qualidade de ruim, esse vinho tem que melhorar muito.

Abel disse...

Joao, seu comentário didático, foi esclarecedor, gostaria de ler mais comentários sobre vinhos seus. Volte a escrever mais.