17 julho 2007

Forestier Cabernet Franc 2005

Quando comprei, degustei e comentei o Forestier Merlot Noir 2005 (relembre), prometi que não compraria outro vinho desta vinícola. Mas o amigo Gerson, assíduo visitante deste blog, indicou o cabernet franc da mesma marca, dizendo ter gostado muito do vinho. Após relutar bastante, comprei uma garrafa e já imaginei: “lá se vão R$ 16 pelo ralo”.
Pois é, eu estava errado! Trata-se de um vinho simples, mas correto, com boa relação qualidade-preço, produzido em Santana do Livramento-RS, na Campanha Gaúcha. Nada excepcional, mas para quem esperava um desastre, o vinho surpreendeu positivamente e confesso, agora, que a este preço compraria outras garrafas para o cotidiano despretensioso.
No copo, demonstrou sua jovialidade de início, com boa formação de grossas pernas. Aromas florais de boa intensidade, provavelmente violeta, característica desta cepa. Na boca, boa acidez, com taninos vivos e um pouco rústicos. Pronto para beber e sem expectativa de evolução.
Pouco corpo, leve e muito agradável em boca. Álcool sem incomodar (11,5%). Final curto, mas marcou positivamente com lembrança frutada, algo como geléia de frutos vermelhos, talvez framboesa.

4 comentários:

Tico disse...

amigo..axei que tinha parado de beber..hehehhe ...esse vinho ai e muito bom pra quem ta nakeles dias de final do mes cheio de contas e cheio de vontade de degustar um vinho..heheh..abraços

gerson disse...

legal, ainda acho que um dia conseguirei descrever um vinho assim dessa forma, pois ainda só sei dizer que gostei, mas estou aprendendo com vc, Claudio e Rafaela (Le Vin au Blog), tbm achei o vinho simples, mas muito gostoso para o dia a dia, o preço em Petrópolis esta em R$13,00. Valeu pelo comentário. OBS: vale experimentar o Santa Carolina Merlot 2005 (12,90).Abraços.

gerson disse...

ontem foi um Salton Merlot reserva especial 2004, muito bom, preço R$11,75.

memoriasdeumlamparao disse...

Certa vez degustei três garrafas de cabernet franc, da Forrestier, e o resultado sugeriu-me tomar sempre. Além do sabor, o vinho apresentou-se como um forte afrodisíaco. Jamais fui um atleta de alcova e fique surpreendido com minha performance. Não sei se com outra pessoa que o deguste terá o mesmo comportamento. É experimentar pra vê.