14 novembro 2007

Real Lavrador Tinto 2005

Este é um Vinho Regional Alentejano, produzido com a variedade castelão, pela Adega Cooperativa de Redondo, que já teve outro vinho comentado aqui (relembre). Por este, paguei R$ 22,90 em fevereiro, no Bretas. Guardei e por conta da guarda em local adequado, repousando na horizontal, acumulou depósito. Por isso, valeu a decantação por cerca de 1 hora.
No copo, coloração rubi, tendendo ao granada. Límpido, com pernas finas. Frutado discreto. Lembrança de capim molhado e seiva.
Pouco corpo, leve e com taninos ainda rústicos. Acidez mediana e álcool incomodando (12,5%), mas nada que o desvalorize. Retrogosto com frutado também discreto, mas apareceram notas de mel, o que pode denotar que o vinho começou sua decadência.
Final curto. Amargor como última sensação. Vinho que se mostrou muito simples e pouco interessante. Não compraria outra garrafa, apesar de não ser um vinho ruim.

9 comentários:

Anônimo disse...

olá, recentemente experimentei o DU GRAND LOUISET 2005 (côtes du rhone), garrafa a 20 reais no carrefour..... algum dia gostaria de saber sua opinião sobre ele, embora seja um vinho muito simples,
abraços, Paulo Rafael

Vinho para Todos disse...

Paulo, coincidentemente, tenho em casa uma garrafa deste vinho. Estou aguardando uma oportunidade para abri-lo. Será em breve.
Obrigadado pela visita e comentário.
Saúde!

João Barbosa disse...

Ó homem! Que coisas anda a beber?!
.
.
.
Ai as coisas que chegam ao Brasil... qualquer dia nem querem nada português. Bolas!
.
.
.
Sempre que veja um vinho português produzido em cooperativa desconfie... é porque serão poucos, quase nenhuns, os vinhos de cooperativa bebíveis.
A razão é simples: um produtor individual quando produz tem o seu nome no rótulo. Se for bom melhor, se for mau é ele que sofre as consequências. É claro que a excelência é rara, por razões de lógica, a maioria estará na mediania... enfim.
Acontece que as cooperativas têm muitos associados, por isso, na generalidade, compram as uvas ao mesmo preço. Assim, não dão um prémio a quem produz melhor, antes valorizam a mediocridade. Bem sei que há cooperativas que praticam preços diferenciados conforme as uvas, mas são raras (a de Santo Isidro de Pegões é uma delas e, "por acaso", é talvez a melhor).
Não se pode tratar (ou pagar) igual o que é diferente, pois o resultado pende sempre para o lado pior.
Por outro lado, para não criar distinções doutra ordem, há pouco critério de escolha de uva para os lotes, ou critérios demasiado bondosos na aceitação para os lotes superiores. Quero dizer que mesmo nos melhores entram muitas uvas que não deviam e a razão é não criar associados de primeira e de segunda, além duma separação nítida poder incentivar ao abandono desse produtor para se dedicar ao trabalho por conta própria.
Acresce que a lógica da generalidade das cooperativa continua a ser a da quantidade e não a da qualidade.
Por todos estes motivos, aconselho-o a evitar vinhos de cooperativas.
.
.
.
Abraço

Diego A.W. disse...

Hey, comecei no mundo dos vinhos à pouco tempo, aproximadamente 2 anos. Tenho 24 anos e atravez de um link, que me levou a um link, que me levou a outro link, vim parar aqui. Gostei bastante deste blog por se tratar de vinhos dos quais conheço alguns poucos e estão todos na faixa de preço que tenho condições financeiras de consumir. Gostei tambem da ideia do blog e confesso ter sentido muita vontade de fazer um com o mesmo formato. Parabéns pelo ARDUO trabalho e se puder me enviar atualizaçoes pelo email agradecerei.
Abraços.

diwerpel@gmail.com

Vinho para Todos disse...

Grande João Barbosa, mais uma vez um comentário muito didático. Obrigado.
Confesso que quando comprei esta garrafa, já imaginava o resultado. Cooperativas são cooperativas em qualquer lugar do mundo, não?
Mas a curiosidade às vezes me faz cometer estas loucuras. Prometo solenemente que o próximo vinho português comentado no blog não será algo a envergonhar o amigo.
Saúde!!!

gerson disse...

Olá, gostei dessa bronca didática do amigo João Barbosa, pois nossos importadores poderiam escolher melhor...por isso temos uma oferta maior dos chilenos...abçs

Colheita de Vinhos disse...

Quem entende entende ...
Sempre é bom continuar a aprender ... Obrigado pela dica João Barbosa ...

Grande abraço,

Guilherme

Silva disse...

João Barbosa por favor entao dá as dicas dos vinhos bons e com preços acessíveis que podemos comprar aqui no Brasil.

Silva disse...

Gostaria de saber as
suas opiniões a respeitos dos vinho portugueses MONTE VELHO,TERRA BOA e TERRAS DEL REI.