10 julho 2008

Emiliana Reserva Cabernet Sauvignon-Syrah 2005

Um amigo trouxe este vinho para degustarmos às cegas. Experiência interessante sempre. O resultado foi muito bom, servindo até para melhorar o conceito dos produtos da Vinícola Emiliana, que não me agradam muito, sendo apenas bons para o dia-a-dia. Mas esté é um vinho um degrau acima dos varietais. Um Reserva, resultado de um corte de Cabernet Sauvignon (85%) e Syrah (15%), provenientes do Vale do Cachapoal, com passagem de 12 meses por carvalho francês. Não sei quanto custa e também não perguntei ao amigo, evitando ser deselegante.
Na taça, uma bonita coloração púrpura, com reflexos tendendo ao granada (cor de telha), com formação de lágrimas rápidas. Álcool um pouco aparente (14% de teor) no nariz. Boa intensidade de frutos vermelhos, tostado, bala de café e ferrugem.
Corpo mediano, com taninos um pouco ásperos, acidez moderada, sinais de declínio. Final mediano, melhor no nariz que na boca. Madeira bem discreta (ponto positivo). Retrogosto lembrando novamente o café e o tostado. Decepcionou na pouca presença em boca, mas ganhou na complexidade aromática. Beba logo!



5 comentários:

Imfernandes disse...

Nunca tomei nenhum vinho dessa vinícola. Tenho um amigo e enaltece-os.

Fica o registro e a dica.

Hoje haverá um queijos e vinhos lá em casa. Deixarei para fazer uma postagem especial no fds ou segunda.

Abraços

Paula Nunes disse...

gosto muito dos vinhos da Emiliana. Vou experimentar este. Obrigada.

Gerson disse...

Olá, só para registrar, hoje bebi um Grand Theatre Bordeaux 2005, R$23,85, uma delicia, nem senti o alcool, muito leve e gostoso, meu primeiro vinho francês, abçs

Márcio Vieira disse...

No começo deste ano eu tomei este vinho, safra 2004. E o achei simplesmente excelente! Elegante é a melhor definição que encontrei. Tanto que dificilmente repito vinhos, mas comprei outra garrafa para comemorar meu aniversário em março, mas era safra de 2005 como o comentado. Já não achei excelente, sem deixar de ser muito bom. Estava mais duro. Tanto que quando encontrei o Saul Galvão em um restaurante falei para ele deste vinho e ele comentou: -Muito bom!
Fica aí a dica, apesar que acho bem difícil encontrar a 2004 por aí. Tenho visto já a 2006 nas prateleiras.

gunnar disse...

bebi com dois amigos uma garrafa da safra de 2006 no sábado passado , e tambem achei o nariz muito melhor que a boca, estava cheio de frutos vermelhos e uma sugestão de doçura, aromas deliciosos. Quanto a boca, vinho equilibrado e até sedoso, muito longe de um cabernet chileno mesmo com a presença da shiraz para aliviar. Leve fácil de beber, ótima escolha para o dia a dia. Não sei se estas sensações ocorreram devido a garrafa de um Montes Malbec que tomamos antes que era bem mais potente e austero ( mas ótimo tambem) um Malbec que é CHILENO e é bem interessante !