22 março 2010

Excelsior Cabernet Sauvignon 2008

Considero que o ponto alto desse vinho é o uso moderado do carvalho. Vinhos sul-africanos nessa faixa de preços costumam ser difíceis de beber por essa característica. Posso encomendar o analgésico para o dia seguinte, mas há quem goste.
É produzido pela Excelsior Estate na D.O. de Western Cape. É considerado um varietal pela legislação, mas a cabernet sauvignon (90%) é acompanhada pela syrah (8%) e pela petit verdot (2%).
Na taça apresentou coloração rubi com reflexos violáceos. Jovem, com lágrimas grossas e lentas (14% de álcool). Aromas em boa intensidade, com frutado muito maduro. Corpo mediano, com boa carga tânica, sem castigar. Madeira bem dosada e pouca acidez. Boa presença em boca, com volume e equilíbrio. Bem agradável.
Final mediano, com fruta bem marcante e madeira discreta, funcionando como coadjuvante (como deve ser).
Ponto alto para o equilíbrio entre taninos e álcool e uso consciente da madeira. Confirma estilo "novo mundo". Pode ser decantado por meia hora para se abrir um pouco mais.
.

3 comentários:

Johnny disse...

Interesante...o único sul-africano mais em conta que eu gostei até agora foi o Obikwa Pinotage, depois dele vieram varias decepções, já estava quase desistindo! Abraço!

Anônimo disse...

Eu tb achei esse vinho interessante.
Engraçado que um amigo gostou e outro não.
El é curto, mas tem um finalzinho de boca levemente doce.
Daria pelo menos 3 taças tb.

Felipe disse...

Amigo VPT, sempre vejo em suas avaliações a definição de lágrimas (ora abundantes, grossas, lentas, etc), quero aprender mais sobre enologia e gostaria de saber como analisar estas lágrimas. Onde podemos enxergá-las? Ou como? Obrigado! Abraços!