05 janeiro 2011

Barton & Guestier Les Charmes de Magnol Médoc AOC 2006 # cbe

Esse é o 51º vinho comentado para a Confraria Brasileira de Enoblogs, que no fim/início de ano sempre tem dois vinhos para os leitores. No dia 20 de dezembro fiz um comentário sobre o tema "Espumante até $200" (relembre) e agora o tema é "Bordeaux de até $150". Ambas indicações foram feitas pelo confrade Silvestre, do excelente blog Vivenda a Vida.

Minha escolha não foi fácil. Não bebo vinhos caros e algumas experiências anteriores não foram tão boas. Então resolvi apostar num Bordeaux com mais corpo, vindo da subregião do Médoc, margem esquerda do Gironde, onde a Cabernet Sauvignon reina como protagonista nos cortes. Nesse vinho ela entra com 60% enquanto a Merlot completa o restante. A passagem por barricas (francesas, claro) é de 6 meses.

É produzido pela Barton & Guestier, fundada em 1725 pelo irlandês Thomas Barton, então com 30 anos de idade. No início a empresa era uma transportadora/comerciante de vinhos, mas em 1802 tornou-se o que hoje se conhece através da sociedade do neto do fundador, Hug Barton, com o comerciante Francês Daniel Guestier. A empresa está em 130 países, nos 5 continentes, onde vende seus vinhos produzidos em diversas regiões francesas, dentre elas Bordeaux, Borgonha, Loire, Rhône e Languedoc.
.
Na taça apresentou uma translúcida coloração rubi. Nos aromas tem boa intensidade, início lácteo, muitos frutos vermelhos maduros, ameixa, especiarias, menta, eucalipto e madeira discreta. Harmônico no nariz, denotando "maciez", se é que essa é uma afirmação possível. Boa complexidade.
Na boca é um vinho sério, seco, de corpo mediano, com taninos presentes, mas sem agressividade. Acidez gastronômica. Presença de especiarias e amadeirado, mais presentes que a fruta vermelha do exame olfativo. Final mediano, boca seca, com madeira em destaque, com notas de café e tabaco. Álcool em equilíbrio (12,5%). Evoluiu depois de aberto. Gastronômico e elegante. Ainda pode ser guardado por 1 ano. Tem personalidade, ao contrário de outros que provei e deixaram muito a desejar.

Pela garrafa paguei R$ 96. O melhor Bordeaux que já comentei aqui no blog, considerando (obviamente) a faixa de preços dos vinhos que bebo. Recomendo.
.
.

4 comentários:

Edgard Piccino disse...

Gostaríamos de voltar a comentar os vinhos da CBE. Como fazemos.

Abraços,

Edgard e Anny
vivinhos.blogspot.com

Vinho para Todos disse...

Puxa, que boa notícia.

A CBE agora está sob a direção do Alexandre Frias, do Enoblogs e Diário de Baco. Vou pedir pra ele entrar em contato.

Sejam bem vindos de volta!

Saúde!

VPT

Roberto disse...

Parabéns pelo blog, realmente a proposta de degustar vinhos acessíveis para a maioria dos bolsos está sendo cumprida. Gostaria de indicar um vinho aqui do RS para vocês avaliarem, chama-se Azienda Bassani Cabernet Sauvignon 2005, encontrado no site vinhosnet.com.br. Estava bebendo-o enquanto lia seus comentários sobre outros vinhos e percebi que ele não deixaria a desejar para muitos dos comentados.

Obrigado!

Fred disse...

Bebi um Chateau Magnol 1995 ano passado, é o primeiro Bordeaux da Vinicula...paguei R$ 101,00 e valeu cada gota...uma complexidade incrivel, que nunca senti em outro vinho...pena que não tinha mais outra garrafa!!! Bom saber que a safra de 2006, que não foi uma safra importante em Bordeaux, tenha um vinho tão legal....aonde posso encontrar?