31 janeiro 2011

Viagem ao Chile - um pouco de frustração


Depois das ótimas visitas do dia 12/01 (Matetic e Casa Marin) saímos na manhã seguinte de Melipilla, onde estávamos hospedados, e partimos em busca da
Viña Garcés Silva, que produz os ótimos rótulos Amayna. Na minha região o Pinot Noir é o grande sucesso, mas aqui em casa gostamos muito dos Sauvignon Blanc deles, tanto o rótulo mais barato quanto o Barrel Fermented, cuja fermentação ocorre inteiramente em barricas francesas (cerca de 15 dias) além da crianza pelo período de 12 meses.

Durante os preparativos da viagem eu enviei três e-mails para eles marcando a visita, mas não tive resposta. Mesmo assim nos arriscamos, mas chegamos somente ao portão, sendo informados pela funcionária que somente o "escritório de Santiago" é que poderia autorizar a visita.

Pelo menos tirei uma foto no portão de entrada, para guardar na lembrança. Aliás, vou me recordar como foi difícil encontrar a vinícola. Quem vê o mapa no site deles (confira) acredita que seja fácil, mas não é. Pra variar as pessoas não sabem onde ficam as bodegas. Acredito que um fato importante colabore pra isso: na região (Vale de Leyda, subregião do Vale de San Antonio) há muitos vinhedos mas a maioria não tem planta de vinificação pora ali. Então, não há instalações que possam chamar a atenção dos moradores da região.



Em nosso caminho encontramos vinhedos da Undurraga, Anakena, Concha y Toro e a sede da Viña Leyda, uma das vinícolas que também nos interessava. Mas eles haviam respondido a um e-mail anterior dizendo que suas instalações ainda não permitem receberem turistas. Resposta desagradável, mas sincera. Ficou a foto para recordação.

Voltando à saga para encontrar a Garcés Silva: saíndo de Melipilla tomamos a Rota 78 (Autopista del Sol) em direção a San Antonio. Na pequena Puangue, saímos da Autopista e fomos para uma rodovia secundária, à esquerda. De lá por diante fomos às cegas... uns 10 km depois avistamos os primeiros vinhedos e continuamos, até chegarmos a uma estrada de terra com uma placa para a vinícola. Incrível que a 2 km de lá paramos numa empresa e perguntamos ao guarda, que mesmo tão próximo não fazia ideia do que eu estava procurando.

Veja todas as fotos em: www.facebook.com/vinhoparatodos

2 comentários:

Baruki disse...

Taí uma sugestão!

Podemos montar uma página em nossos blogs, juntando as experiências de todos os bloggers que visitam ou visitaram vinícolas, com informações das vinícolas que permitem ou não a visita e principalmente o endereço com a sua coordenada(GPS), acho que seria muito útil!

Abraços,

Baruki!

Prof. Samuca disse...

Ótima narrativa!