12 julho 2011

Almadén Riesling 2010


Preciso confessar que não tenho boa vontade com os vinhos da Almadén. Mesmo depois que a marca passou para o comando da Miolo, com todo seu prestígio e tradição, mesmo com a reformulação do visual, não me aventurei a comprar uma garrafa.

Mas, há um tempo atrás a confreira Fabiana Gonçalves (Escrivinhos) deixou uma mensagem no Twitter falando que havia gostado desse Riesling 2010. Desconfiado, mandei uma mensagem dizendo que não botava muita fé na informação. Ela, obviamente, defendeu sua opinião e me desafiou a provar o vinho.

Pois bem. No dia 7 de junho passei em um supermercado aqui em Uberlândia e comprei uma garrafa por R$ 13. Pensei: se não for bom, vai para o risoto ou para o frango. Resultado: bebi a garrafa quase toda, indo um pouco além do meu limite cotidiano, já que minha esposa não estava em casa para ajudar. Fiquei surpreso com o vinho.

Aos críticos de plantão, explico: não é um super vinho, nem poderia ser a esse preço. Mas sua simplicidade não pode ser confundida com falta de qualidade ou presença de defeitos. O vinho é correto para a faixa de preços e não tem defeitos. Ideal para ser o vinho de entrada para os que querem gastar pouco, mas especialmente para aqueles que ainda estão no mundo dos vinhos de mesa.

Na taça uma coloração amarelo palha. Aromas discretos, muito frescos e com tipicidade da uva. Na boca é um vinho leve, com boa acidez, frutas cítricas e notas adocicadas, sem ser enjoativo. Final ligeiro, deixando a boca limpa, com fruta em destaque. Zero de amargor, um ponto positivo para um vinho desse preço. Enfim, um vinho alegre, descontraído, para ser bebido à beira da piscina, embora possa acompanhar pratos leves sem fazer feio.
.
.
.

7 comentários:

vinhofortaleza disse...

Depois que a Miolo adquiriu a Almaden, da já cansada Pernod Ricard, que tinha perdido o interesse pela marca, deu inicio a um trabalho muito consciente de melhora da qualidade, posicionou todos os vinho do portfólio como vinho simples, extremamente bem feito, em linha com a proposta comercial.
Não lançou mao de nenhum artificio daqueles muitas vezes praticados em vinhos nessa faixa de preço (chips, por exemplo).
Isso resultou em vinhos leves, frutados no ponto certo, jovens, para ser bebidos sem complicações, a meu ver tudo que um vinho desse precisa para ter sucesso.
Abraços

Vinho para Todos disse...

Penso que vinhos desse preço tem que mostrar o que realmente são, sem artifícios como o uso de madeira, até porque não tem estrutura para isso. Por esse motivo acredito que a marca tende a crescer porque entrega ao consumidor um vinho que não é espetacular, mas é honesto pelo preço que custa. No caso desse Riesling, sem defeitos.

Além disso, o produto ficou mais bonito e não tenho dúvida de que imagem também vende vinho.

Obrigado pelo comentário.

Saúde!

Gil Mesquita

Anônimo disse...

acho bacana ver esses vinhos baratos aqui no blog. Às vezes eu sinto falta deles, porque não costumo gastar muito em vinhos. Gostei dessa dica da Almadén.
Abs,

vinícius Silva disse...

Irei experimentar. Valeu pela dica.

Anônimo disse...

Vinho adoçado com açúcar é dose!

EM! disse...

vamos ser sinceros, a administração Pernod Ricard (alias, porque sera que vendeu? vinhas velhas?) ou Miolo que mais do que nunca engarrafa marketing e fabrica 'terroir" em agencia de publicidade o resultado é um vinho adoçado artificialmente e conseqüentemente de baixissima qualidade.
Aqui no RJ pago r$9.90. Otimo para risoto e pessimo beber! discorda? beba 2 garrafas e ganhara aftas!
depoimento de cliente/vitima

ruann disse...

A embalagem pelo menos, atrai...