08 fevereiro 2012

Atendendo a pedidos: EA Tinto 2009


Há um tempo recebi um comentário no blog perguntando porque esse vinho ainda não havia sido comentado aqui. Respondi que era uma coincidência, porque já havíamos provado o vinho e gostado, mas em ocasiões que não permitiram as anotações. Essa lacuna é agora preenchida.

O vinho é elaborado pela Fundação Eugênio de Almeida, na região do Alentejo. Esse produtor é responsável também pelos famosos Pêra Manca, Cartuxa e Foral de Évora.

O EA é produzido desde 1992. É um Vinho Regional Alentejano. Para ser rotulado como vinho "regional" é necessário que leve 85% de uvas cultivadas na própria região. Está, em teoria, acima dos vinhos de mesa e abaixo dos vinhos DOC, mas essa não é uma regra exata, pois há excelentes vinhos regionais que são assim produzidos por escolha do produtor. 

Esse é elaborado com as uvas Trincadeira, Aragonez, Alicante Bouschet e Castelão, variedades tradicionais nessa importante região portuguesa. Não tem passagem por madeira e tem 14,5% de álcool. O enólogo é Pedro Baptista.  

Interessante o que a própria vinícola escreve no site sobre essa linha: "Tratam-se de vinhos do ano, com características próprias de vinhos jovens, fáceis de beber e para consumo imediato".

Coloração grená, com formação de lágrimas grossas. Aromas em boa intensidade, com destaque para frutos silvestres mais delicados, groselha, alguns frutos secos, notas balsâmicas e algo de especiarias (pimenta do reino). Na boca é leve, amigável, com taninos delicados, boa acidez e frutado bem presente. Final de média persistência, com levíssima adstringência conferida pelos taninos.

Atende muito bem a proposta de ser um vinho jovem, para consumo imediato. Tem um conjunto bem harmônico e franco, especialmente porque não passa por madeira. Tem vocação gastronômica para acompanhar pratos não muito potentes, massas e carnes.

Vale o que custa (R$ 39). Beba logo, pois não evoluirá com a guarda.

Saúde a todos!


11 comentários:

Joao Barbosa disse...

também é regional quando as castas do lote não foram (todas) aprovadas para ter a designação DOC (denominação de origem controlada), que fiquem fora do catálogo.
.
também é regional quando propriedade não se situe dentro do território duma DOC. por exemplo, em Castro Verde (Baixo Alentejo) um vinho será regional, mas em Évora (Alto Alentejo) será DOC,

Joao Barbosa disse...

Neste caso em concreto, acho um vinho bem feito, escorreito, que se bebe descontraidamente. todavia acho-o caro, há vinhos de qualidade idêntica mais baratos... paga-se a marca Fundação Eugénio de Almeida / Adega da Cartuxa

Joao Barbosa disse...

estive a ver a cotação do Real... bolas! está caríssimo este vinho!!! bolas!!! aqui custa 4 euros.
.
de facto, as taxas aos produtos europeus tornam-nos muito pouco competitivos

Vinho para Todos disse...

João, meu amigo, como sempre seus comentários são uma contribuição valiosa para o blog.

Saúde sempre!

Gil Mesquita

Ceça Moraes disse...

Gil, muito obrigada!! Fui eu quem te pediu opinião sobre este vinho. :D Eu o acho um vinho fácil de beber, e de vez em quando o tomo como opção! Valeu mesmo!

Vinho para Todos disse...

Ceça, foi um prazer atender seu pedido.

Volte sempre ao blog e deixe seus comentários.

Saúde!

Gil Mesquita
www.vinhoparatodos.com

Leonardo Ribeiro disse...

Olá Erika.
Navegando pela internet a procura de informações basicas a respeito de vinhos, encontrei seu blog e gostei muito do que li.
Adoro vinhos, mas sou leigo sobre o assunto.
Alguns rótulos que vi no blog já consumi, como o EA.
Tenho um amigo que joga no Bordeaux da França e recebi alguns vinhos no fim do ano passado, mas não consegui muitas informações sobre eles.
Tenho certeza que me tornarei um leitor acíduo do blog e breve postarei os rótulos dos vinhos da região de Bordeaux para trocarmos infotmações.
Parabéns pelo blog.
Leonardo Ribeiro (leoflribeiro@gmail.com)

Anônimo disse...

Boa Noite! Adorei o seu site! Excelentes informações! Estou escolhendo o vinho que serviremos no Batizado do meu filho e estou na dúvida entre o EA e o Rapariga da Quinta. A difenreça é de R$ 10,00 entre eles. Uma outra dúvida é o ano do EA, só tenho encontrado do ano de 2010. Ainda vale a pena?
Obrigada pela ajuda! Luciana

Gil Mesquita disse...

Luciana,

obrigado pelo comentário.

sem dúvida o Rapariga da Quinta é mais vinho que o EA. Dependendo do número de garrafas que irá comprar, a diferença de $10 compensa.

se resolver pelo EA, o ano de 2010 ainda está num bom momento para consumo.

saúde!

Gil Mesquita
www.vinhoparatodos.com

Reis disse...

Quem que importa para o Brasil o EA?

Evandro sussekind disse...

Tenho que concordar com o João, em Coimbra pagava 4 euros nesse vinho, e acabava sendo meu vinho de mesa. Se formos nessa lógica, o próprio reserva da Cartuxa podia ser achado por 15 Euros. Concordo, há vinhos melhores na mesma faixa, meu low cost preferido é o Ventisqueiros que estão aqui do lado.

Abs!