06 abril 2012

Pronto para beber: Almaúnica Cabernet Sauvignon Reserva 2009


Salvo prova em contrário, penso que a proposta de Márcio Brandelli em sua vinícola Almaúnica é produzir vinhos ao estilo Novo Mundo, mas próximos de nossos vizinhos argentinos e chilenos, contrastando com o estilo Velho Mundo de seu irmão Ademir Brandelli. 

Para constatar isso basta provar o Merlot (relembre) ou o Syrah (que estará em breve aqui no blog). São vinhos macios, com taninos domados, paladar mais fácil, para serem consumidos mais jovens.

Os estilos são diferentes, mas em ambos os casos os irmãos Brandelli fazem vinhos de respeito. 

Esse Cabernet Sauvignon passou 10 meses por barricas novas de carvalho americano e francês (50/50). É vendido no varejo da vinícola a R$ 38.  Foram produzidas 14.000 garrafas e abri a de nº 6.410.

Tem coloração rubi, com reflexos violáceos, denotando juventude. Os aromas têm boa complexidade, com fruta madura, chocolate, café e baunilha, esses últimos conferidos pela passagem por madeira. Na boca tem bom corpo e surpreendentemente os taninos são macios, ao contrário de outros CS produzidos no Vale e tão jovens assim. Boa acidez. Final de boa persistência. Álcool a 13% sem aparecer. Fácil de beber agora ou em 1-2 anos.

Saúde a todos!


5 comentários:

Universo dos Vinhos disse...

Gil, parabéns pelo post

Primeiramente, devo dizer que fico feliz em perceber que não aderiste a algum tipo de boicote contra os vinhos brasileiros - idéia esta que considero descabida e sem nexo.
Seu post me deu vontade de experimentar este exemplar, sou um fascinado pela velha e boa CS.
Aliás: já provou o Pinot? Estou ansioso pelo seu post.

Abraço

Tiago Bulla
www.universodosvinhos.com

Vinho para Todos disse...

Tiago,

você que acompanha há tanto tempo o blog sabe que sou um fã dos vinhos brasileiros. Em termos percentuais o vinho brasileiro ocupa grande parte da lista dos comentados aqui.

Já me posicionei quanto à salvaguarda no blog em post do dia 21 de março e acho que deixei claro que não concordo com essa medida especialmente porque nós, consumidores, é que sairemos em desvantagem (como sempre).

Quanto a boicotes, acho essa uma medida tão tacanha e arcaica quanto a salvaguarda. Assim, não existe a menor chance de boicotar os vinhos brasileiros aqui.

È claro que se eu tiver pela frente um vinho de um pequeno produtor e outro de um produtor que incentiva a salvguarda, optarei pelo pequeno. Mas se for ver as postagens, verá que a diversidade de pequenos produtores é muito grande.

Enfim, é isso. Não boicoto porque acho isso antidemocrático. Postar-se contra a salvaguarda é uma coisa, boicotar é outra. Não entro nessa.

Saúde!

Anônimo disse...

Disse tudo.
Salvaguarda e boicote estão no mesmo barco, farinha do mesmo saco.
Parabéns por não entrar nessa.

Universo dos Vinhos disse...

Gil

No sábado passado estive na Almaúnica e tive a felicidade de conhecer pessoalmente o Márcio Brandelli, que foi muito receptivo e atencioso.
Comentei com ele sobre seu post do CS: ele concordou 100% com sua descrição, em especial o primeiro parágrafo onde falas do contraste do estilo entre as duas vinícolas.
A propósito: provei o Syrah. É um espetáculo.

Abraço

Tiago Bulla
www.universodosvinhos.com

Vinho para Todos disse...

Tiago,

Se o enólogo concorda 100% com o comentário, então vou ter que abrir um vinho para comemorar...

Obrigado pela notícia. O Syrah vai entrar no blog em breve, mas já adianto que levou 4,5 taças.

Abraço!