20 julho 2012

O vinho de nº 700 aqui no blog: Adolfo Lona Orus Pas Dosé Rosé


Quando comecei o blog em julho de 2006 jamais imaginei chegar a uma marca assim: 700 vinhos comentados. Pode parecer que não, mas custa dinheiro e muita dedicação. Produzir conteúdo próprio não é tão fácil como se imagina, mesmo para um veículo tão informal quanto um blog.

Mas em compensação, foram anos de boas companhias, novos amigos e um número muito maior de boas experiências do que decepções. Obrigado a todos que lêem o blog, comentam os posts e enviam críticas.

Pra comemorar a marca, um vinho especial. 

Quando estive com Adolfo Lona em sua produtora, em fevereiro (relembre) fui presenteado com esse espumante, uma das últimas 30 garrafas das 608 que ele elaborou. Depois dessa oportunidade ainda degustei o espumante no Encontro de Vinhos no Rio de Janeiro (em março), mas só em junho abri a garrafa que ganhei. 

No Rio Grande do Sul é (ou era) encontrado na faixa dos $90, mas aqui em Minas Gerais já vi o espumante custando em torno dos $150.

É elaborado pelo método tradicional (champenoise) com 12 meses de autólise de leveduras (período em que ganha complexidade) e mais 12 meses em garrafa já com a rolha definitiva (para ganhar sutileza, elegância e potência). Não há adição do licor de expedição (pas dosé ou dosage zéro).

O vinho base é um corte de três variedades, cada uma com sua função específica: Chardonnay, que dá frescor ao espumante; Pinot Noir, que vinificado em rosado agrega força; e Merlot, que colabora com a alegância e ameniza a acidez.

Na taça a coloração é pêssego, lembrando casca de cebola. Perlage é intensa, muito fina e persistente. Barulhento. Nos aromas é intenso, elegante, complexo, com lembrança de frutos silvestres, casca de pão, algo parecendo musgo (provavemente vindo da Merlot) e frutos secos.

Na boca é cremoso, com ótima acidez e uma complexidade que se percebe de imediato. Boa fruta, notas da fermentação, ferrugem, musgo. Tem notas levemente adocicadas, apesar de ser um nature. Não será, portanto, agressivo aos que apreciam espumantes menos secos. Final longo, com palato marcado por todas as sensações do olfato e boca.

Enfim, um espumante de exceção, que consegue ser refrescante como aperitivo, mas também elegante, complexo e estruturado para acompanhar refeições. Certamente um dos grandes espumantes brasileiros já produzidos.

Saúde a todos!




7 comentários:

Universo dos Vinhos disse...

Grande Gil

Parabéns pela marca alcançada. Certamente este belo espumante foi muito bem escolhido para esta ocasião tão especial.

Um abraço

Tiago Bulla
www.universodosvinhos.com

Gil Mesquita disse...

Valeu Tiago,

você tem um participação nesse espumante, não é? Se não fosse o telefonema seu e do Lona não teria ganho a garrafa.

Abraço e obrigado pelo comentário.

Gil

Gil Mesquita disse...

Valeu Tiago,

você tem um participação nesse espumante, não é? Se não fosse o telefonema seu e do Lona não teria ganho a garrafa.

Abraço e obrigado pelo comentário.

Gil

Anônimo disse...

Gil, boa noite. Parabéns pela marca. Tem que comemorar mesmo. E foi com estilo.
Conheci o Lona em uma degustação de apresentação dos seus produtos realizada por uma grande loja aqui em BH e foi um sucesso. Pessoa simpática, atenciosa e, a partir desse encontro, estou sempre degustando um espumante dele. Além disso, ele é uma pessoa muito simpática e atenciosa.
No mais, uma grande abraço.
P.S: Fico imaginando qual garrafa brindará o milésimo vinho comentado...

Gil Mesquita disse...

O Adolfo Lona é isso tudo mesmo: simpático, atencioso, competente e generoso com os consumidores e seus ótimos espumantes.

Saúde!

Tiago Cunha disse...

Parabéns Gil!!

Grande marca e grande espumante!!
O primeiro blog que comecei a acompanhar e a partir dele a me interessar mais por este mundo.
Quanto ao espumante, é uma maravilha.
Degustei um ainda sem rótulo, o qual estará disponível somente em outubro, ou seja, por certo nem estaria pronto.
Não tenho dúvidas em dizer que foi meu melhor espumante.

Forte abraço e saúde!!

Gil Mesquita disse...

Valeu, Tiago Cunha.

Certamente o próximo Orus manterá a qualidade lá em cima.

saúde!