01 julho 2012

Se você não conhece a uva Carignan, comece por cima: Undurraga TH Carignan Maule 2009 #cbe


Chegamos a uma marca importante na Confraria Brasileira de Enoblogs - CBE, porque esse é o 70º vinho comentado para essa que foi a primeira (e talvez continue sendo a única) confraria virtual do Brasil. Lá se vão mais de 5 anos de postagens independentes, de autoria de vários blogueiros do país. 

A escolha desse mês foi do amigo Daniel Perches, do blog Vinhos de Corte, que sugeriu: "um vinho que tenha a uva Carignan. Se possível, um varietal, mas se não der,  pode ser um corte. Qualquer país e qualquer preço".

Nossa preferência foi por um varietal, porque a maioria dos cortes encontrados levavam um percentual muito pequeno da uva. Daí, escolhemos esse vinho da Undurraga, da interessante linha Terroir Hunters, por $75, embora seja encontrado por até $125. 

Essa garrafa foi comprada há uns 15 dias, mas no Encontro de Vinhos em Campinas tivemos oportunidade de degustá-lo às cegas, ficando entre os nossos preferidos e no TOP 5 da feira.  Então, não é difícil imaginar que nossas impressões foram as melhores possíveis. 

O vinho é elaborado com  uvas do Vale do Maule, situado a 350 km ao sul da capital Santiago, vindas de dois vinhedos diferentes com videiras antigas, com mais de 50 anos de idade, cultivadas em apenas 3,89 hectares. Tem passagem de 14 meses por barricas de carvalho francês. Foram produzidas apenas 378 caixas.

Na taça a coloração é violácea, sem reflexos indicando evolução. Os aromas são intensos, muita fruta madura, amora, cereja, notas da madeira (baunilha) e discreto floral. Em boca é daqueles vinhos que agradam no primeiro gole e chamam para o próximo. Tem bom corpo e equilíbrio. O álcool dá potência (14,5% de teor) mas sem incomodar. Os taninos são finos e bem acabados, boa acidez, deixando o vinho gastronômico, sem perder a característica frutada. Elegante e intenso.

Final longo, com repetição de todas as características observadas nos aromas e em boca. Está em bom bom momento para consumo, mas pode ser guardado por mais alguns anos. Harmonizou-se muito bem com um prato feito pela Érika: costela suína acompanhada de abóbora (cabotiá) caramelada, cuja receita estará aqui em breve.

Quer uma dica? Sirva a primeira taça e deixe ela num canto, evoluindo. Quando terminar a garrafa, volte àquela taça, verá a evolução. Se preferir, pode apenas decantá-lo por uns 40 minutos para aeração, mas não perceberá a evolução.  

Avaliação VPT = 91 pontos.

Saúde a todos!


Um comentário:

Anônimo disse...

ótimo vinho, ótima vinícula e o preço compensa a experiência.

abraço.

Moisés