05 outubro 2012

Luiz Argenta: beleza, qualidade e inovação!

Vista para o belo vinhedo da Luiz Argenta. 
Foto: Gilmar Gomes Fotografia Digital 

Pela segunda vez estive na bela vinícola Luiz Argenta, em Flores da Cunha. Fundada em 1999, possui 142 hectares, sendo que atualmente 55 deles estão plantados com 170 mil mudas de uvas viníferas, com clones vindos da França e Itália.

A escolha da área plantada foi precedida de vários estudos em que foram identificados 27 tipos de solos diferentes, providência essencial para a escolha das variedades hoje cultivadas. Em sua apresentação um dos fundadores da vinícola, Deunir Argenta, lembrou que no passado a área chegou a ter 74 variedades em testes, numa época em que a propriedade pertencia à Vinícola Riograndense (então detentora da marca Granja União), fundada em 1929.

Atualmente as principais estrelas dentre as variedades são a Merlot e a Chardonnay, mas outras variedades também são cultivadas em sistema de “quadras”. Essas parcelas de terreno são identificadas na propriedade através de nomes de artistas. A quadra Elis Regina, por exemplo, é plantada com Chardonnay.

O constante aprimoramento das técnicas de cultivo foram explicadas pelo Osair, agrônomo que vive o vinhedo o ano todo. Contou, orgulhoso, que uma das práticas da vinícola recebeu um prêmio da BASF como o “melhor cultivo vinícola do mundo”, concorrendo com produtores de vários países.

A produção atual da Luiz Argenta está na casa dos 170.000 litros anuais, variando em alguns anos em até 20% dependendo da qualidade das uvas colhidas. Em anos ruins alguns vinhos não são produzidos por não terem condição de levar a marca da vinícola em seu rótulo, conta o enólogo Edegar Scortegagna, doutor em Enologia pela Universidade de Trento e Udinese, na Itália.

 
Cave subterrânea, onde jantares harmonizados são organizados pela vinícola.
Foto: Gil Mesquita - Blog VPT

Mas quem conhece a vinícola sabe que além da qualidade de seus vinhos há outros dois atrativos que não passam despercebidos: a bela cave subterrânea, onde podem ser realizados jantares harmonizados, e a preocupação em sempre inovar no design das garrafas. Nesse último quesito já ficou famosa a garrafa de fundo duplo para o Shiraz e agora conhecemos as “garrafas gêmeas”, para o Sauvignon Blanc e Gewürztraminer.


Edegar Scortegagna apresentando seus vinhos. À sua frente, unidas, as "garrafas gêmeas".
Foto: Gilmar Gomes Fotografia Digital.


Ao final da visita provei dois vinhos que não conhecia: 

- Espumante Brut Rosé Champenoise – não safrado, mas tirado em 2011. Elaborado com 100% Pinot Noir, custa R$46 no varejo da vinícola. Passa por maturação de 12 meses. Perlage fina, com boa formação de espuma. Rosa claro, aromas delicados lembrando morangos. Cremoso em boca, mas com pouco açúcar residual. Seco, de final longo, com boa complexidade. 

- Sauvignon Blanc 2012 – envasado numa garrafa especial tem coloração amarelo palha. Aromas de frutos tropicais, maracujá, pêssego. Elegante, com boa acidez. Final de boa persistência, com palato lembrando os frutos, com algumas notas vegetais típicas da variedade. Custa R$42 no varejo.

Quem for à vinícola vai encontrar uma das mais modernas e belas instalações que conheço aqui no Brasil, pronta para receber o turista, com bons vinhos, atendimento profissional e boas novidades sempre.

Saúde a todos!

*** Viajamos ao Rio Grande do Sul a convite do IBRAVIN, para mais uma edição do Projeto Imagem.

2 comentários:

Silvestre disse...

Maravilha amigo, está muito melhor o visual do post. Já esta usando o World? Parabéns!!!

Abs e saúde
Silvestre

Gil Mesquita disse...

Obrigado, mas não estou usando o Word. Não consegui me cadastrar.

Problema entre o computador e a cadeira, entende?

abraço.