11 outubro 2012

Provamos um Tannat 1995, da Don Laurindo, em grande forma aos 17 anos

Ademir Brandelli abre sua adega de vinhos antigos. 
Foto: Gilmar Gomes Fotografia Digital

Sei que muitos leitores do blog não gostam dos vinhos brasileiros. Mas espero que esse "não gostar" seja uma questão de paladar e não uma demonstração de preconceito. Conheço muita gente que não gosta de quiabo, mas nunca experimentou... ou não gosta porque alguém disse que não gosta. Com o vinho brasileiro também já vi isso acontecer, mas nada como uma degustação às cegas para acabar com essa história.

Mas, se tem uma característica dos vinhos brasileiros que está se tornando uma máxima difícil de questionar é a sua longevidade, sua capacidade de resistir ao tempo em boas condições. E não estou falando de vinhos caros, mas de vinhos acessíveis, elaborados há 15 ou 20 anos em condições de tecnologia bem desfavoráveis, em vinhedos sem os cuidados que se tem hoje, armazenados em tonéis de grápia porque não havia tanques de inox, e por aí vai.

E no dia 26/09 encontrei mais uma vez um dos grandes entusiastas do vinho brasileiro evoluído, um vinhateiro que não tem nenhum receio de abrir sua adega para que os visitantes provem "seus filhos mais queridos". Tive a honra de reencontrar o Ademir Brandelli, enólogo da vinícola Don Laurindo


A estrela da noite, um Tannat da safra 1995. 
Foto: Gilmar Gomes Fotografia Digital

Nessa visita, que começou às 23:30 h, estavam além desse blogueiro, os amigos Silvestre Tavares (do blog Vivendo a Vida), Orestes Andrade Jr. (Ibravin), Morgana Miolo (Diretora de Marketing da Miolo), Gilmar Gomes (Fotógrafo) e Marina Rossi (IstoÉ Dinheiro), que ficou responsável por escolher o vinho. Aliás, a escolha não poderia ser melhor: um Tannat da safra 1995, com uvas de vinhedos em latada, sem tanques de inox, com rolha "curta" e todas as dificuldades da época. 

O vinho estava ótimo, evoluído em cores, repleto de aromas terciários e sabores mesclando frutos vermelhos, tabaco, frutos secos, com taninos ainda presentes e uma acidez viva. Experiência que o Ademir só compartilha com quem gosta desse tipo de vinho e sabe reconhecer essas particularidades tão especiais de um vinho com 17 anos de idade. 

Provamos outros excelentes vinhos da vinícola, como o Merlot da DO Vale dos Vinhedos (com muitos anos para evoluir em garrafa), o Chardonnay também dessa Denominação de Origem e o Assemblage (Tannat, Merlot e CS) que é um dos meus preferidos (R$ 42), dentre outros.

Mas, a grande estrela foi o Tannat 1995, degustado numa noite fria, com ótimas companhias e com a presença sempre empolgante do Ademir Brandelli, que não esconde seu prazer em elaborar vinhos de corte e sua paixão pela uva Tannat.

Saúde a todos!

*** Viajamos ao Rio Grande do Sul a convite do IBRAVIN, para mais uma edição do Projeto Imagem.

4 comentários:

André S. disse...

Olá Gil!
Já que estamos falando de vinhos de guarda, aproveito a oportunidade e sua experiência enóloga para o seguinte questionamento: vale a pena adquirir as garrafas em leilão do ex-banqueiro Cid Ferreira? Boa parte das garrafas que me interessei possui grande potencial de guarda. Particurlarmente me interessei nos lotes 46 e 112 (http://www.canaljudicial.com.br/offer/search.htm?gid=4&key=vinho&page=1). Apesar do site de leilões afirmar que as garrafas estavam em adega, tenho minhas dúvidas.

Gil Mesquita disse...

André,

pergunta difícil de responder.

eu compraria vinhos antigos que eu pudesse beber, já que não sou um colecionador de vinhos.

alguns lotes são formados por vinhos muito, mas muito antigos, que nem sempre têm grande potencial de guarda... então o risco de abrir um vinho desses e não estar em mínimas condições de consumo é grande, mesmo que guardados em adegas climatizadas.

esse risco dependerá do quanto quer/pode gastar.

abraço!

Gil Mesquita

André S. disse...

Agradeço sua opnião. Realmente é muito complicado escolher sem conhecer a procedência (mesmo em adega, será?).
Acho que a tática mais correta é degustar vinhos de guarda na fonte, direto com o proprietário! Ai não tem erro mesmo.
Abraço!

Blog Vivendo a Vida disse...

Parabéns pelo post Gil, noite perfeita!

Abs e saúde
Silvestre