01 junho 2013

A evolução e elegância do Zuccardi Serie A Syrah 2008 #CBE


Esse é o 82º vinho comentado para a Confraria Brasileira de Enoblogs - CBE, uma brincadeira que iniciamos em fevereiro de 2007. Nesse mês tive o prazer de indicar o tema, um vinho syrah de qualquer país, custando até R$100. 

A escolha não foi difícil de fazer, porque gosto bastante dessa uva e há algum tempo queria experimentar esse vinho que estava na adega. É elaborado pela Familia Zuccardi, tradicional e respeitada vinícola de Maipú, província de Mendoza, que já teve vários de seus vinhos comentados aqui no blog. 

As uvas para esse vinho vieram de Santa Rosa y Vista Flores, colhidas no mês de março com três semanas de diferença. Apenas 30% do vinho passaram por barricas de carvalho francês de primeiro, segundo e terceiro usos, por um período de 10 meses.

Quando abri esperava um vinho com algumas características de evolução, pois já tem 5 anos de idade. 

Na taça a cor é rubi, com discretíssimos reflexos de evolução. Límpido e brilhante. 

Na taça os aromas têm boa intensidade, com uma complexidade interessante, fruto da passagem por madeira e o tempo em garrafa. Fruta madura, baunilha, tostado, especiarias e açúcar mascavo. Álcool dando recado no nariz (14% de teor). 

Melhor em boca do que no nariz. Um vinho harmônico e complexo, macio, com taninos já domados e acidez bem marcante, o que me surpreendeu. Final de média persistência, repetindo as sensações complexas no palato. 

Como esperado, está num ótimo estágio de evolução, elegante, com tudo no lugar, mas se tivesse mais garrafas beberia agora para aproveitar o frescor dado pela acidez. 


Detalhes da compra:

Os vinhos dessa bodega são importados pela Ravin, que vende a safra 2011 desse Syrah por $65 em sua loja virtual. Em Uberlândia pode ser encontrado na Vinum Domo, no Uberlândia Shopping. 

Saúde a todos!




2 comentários:

Ewertom Cordeiro disse...

Boa escolha! Por pouco esse não foi o vinho que escolhi, só que da safra de 2011.

Saúde!

Felipe disse...

Gil, bebi esse há um ano atrás, realmente é um bom vinho, e concordo com você: beba-o agora!

Abraço.
Felipe.