26 julho 2013

Degustamos o festivo Houses of Mandela Pinotage 2012

No rótulo uma reprodução das festivas camisas de Mandela indicam o estilo do vinho.

Na última terça-feira (23/07) participamos de mais uma edição do Wine Bar, uma degustação virtual comandada pelo Daniel Perches com a "presença virtual" de vários blogueiros e jornalistas de todo o país (veja como foi clicando aqui).

Dessa vez os vinhos escolhidos foram sul africanos e importados pela Ravin, que aposta na descontração dessa linha House of Mandela para cativar consumidores que procuram preço sem descuidar da qualidade. 

Quando recebi os vinhos não sabia nada a respeito deles, mas imaginei desde logo tratar-se de vinhos acessíveis tanto em preço quanto no paladar: a garrafa é daquelas mais leves, com tampa de rosca e o rótulo lembra as estampas das camisas de Nelson Mandela. Segundo o contra rótulo essas estampas florais simbolizam a "unidade, a identidade cultural e a beleza da África".

Esse 100% Pinotage envelheceu por 6 meses em barricas francesas e pertence à linha Thembu Collection, que ainda tem um Sauvignon Blanc também degustado na noite de terça e um Shiraz.

Na taça tem coloração violácea. Os aromas são menos intensos que em outros Pinotage na mesma faixa de preços porque seu nariz não é invadido pelos aromas excessivamente amadeirados. Ao contrário, os aromas são muito francos, lembrando frutos negros, ameixa, especiarias, discretas notas de chocolate, tabaco e café. 

Na boca é leve, com taninos aparecendo com discreta adstringência, mas longe de serem rústicos ou "verdes". Talvez fiquem ainda mais macios com alguns meses de guarda. Boa acidez. Muita fruta e madeira novamente discreta.

Final um tanto ligeiro, simples, mas correto. Tem 14% de álcool, mas em equilíbrio. Feito para agradar a todos os paladares pela descontração, mas certamente cativará os iniciantes no mundo do vinho, porque se aproxima do gosto do brasileiro, com notas mais adocicadas e sem complicações. 


Detalhes da compra:

Esse vinho é importado pela Ravin, que o vende em seu site atualmente por R$ 39. Mas essa garrafa me foi enviada para prova e participação no Wine Bar do dia 23 de julho.

Saúde a todos!



Um comentário:

Vinícius Assumpção disse...

Amigo tem um detalhe importante neste vinho o selo do Comércio Justo". Então podemos afirmar que o processo de produção deste vinho, além de ser um processo ético e justo, também tem a preocupação com a exploração infantil, do meio ambiente, respeita os direitos da mulher e de seus trabalhadores, entre outras atitudes, o preço justo ao consumidor. Três meses atrás a cidade do Rio de Janeiro, viveu a Semana Mundial de Comércio Justo, junto com o Salão Mundial de Comércio Justo, apoiado pela prefeitura do Rio, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Solidário, além da WFTO e a FACES do Brasil. Estamos agora buscando certificar a cidade do Rio, como a primeira capital das Américas em comercio justo. Veja no facebook da secretaria ou no meu.