06 dezembro 2013

A cerveja Lager

Copo da Spiegelau criado especialmente para as cervejas lager.

Conquanto as cervejas possam ser classificadas por diferentes critérios, é mundialmente conhecida aquela que divide o santo líquido em LAGERS e ALES.
Num primeiro momento, cabe-nos falar um pouco das LAGERS, aquelas tradicionais cervejas que habitam, principalmente, a parte tropical do planeta e, de longe, o estilo que abriga as cervejas mais populares do mundo. Douradas, cremosas, leves, baixa carbonatação, cremosas. Mas também, fortes, robustas e, até mesmo, licorosas.
Tendo a Europa Central, especialmente a Alemanha como berço deste estilo, LAGER não é propriamente uma classificação. Em verdade, esta cerveja é conhecida pelos germânicos como hell ou helles – relação à palavra inglesa yellow (amarelo).
O termo LAGER é utilizado, na verdade, para remeter às cervejas de baixa fermentação. Isto deriva do processo de lagering, desenvolvido pelos alemães na fermentação da cerveja, ou seja, na sua fabricação o líquido é posto em descanso (lager, em alemão, significa “cama” ou “adega”, e também tem remissão a “armazém”, pois é um produto que, em determinado momento histórico, devia ser estocado, fermentando, para que pudesse maturar e, então, nascer a cerveja.
Tradicionalmente, as LAGERS são cervejas amarelo claro, límpido, cujo teor alcoólico varia entre 4,25% a 4,5% ABV. No aroma e paladar são facilmente perceptíveis a carga do malte (adocicado) e um lúpulo discreto (amargor), para dar equilíbrio e creme. Temas esmaecidos também são notados, com predominância de leveduras, pão, massa crua e até mesmo caramelo, café, tosta, dependendo da modalidade da LAGER.
Quando se diz que a LAGER é uma cerveja de baixa fermentação, isto se deve a dois fatores básicos. Primeiro, porque as leveduras utilizadas na fermentação são ativadas entre 4º C e 15º C, temperatura inferior à fermentação das cervejas tipo ALE (em média, em torno de 20º C). Além disso, as leveduras ficam estabilizadas no fundo dos tanques de fermentação, por isso, “cervejas de baixa fermentação”.
A levedura mais comumente usada na fermentação da cerveja LAGER é a Saccharomices Uvarum, e, em média, este processo dura por volta de oito a dez dias. Entretanto, o processo de maturação pode levar meses, dependendo do que se pretende.
Em razão das leveduras depositarem-se no fundo dos tanques, há um maior contato do mosto (líquido obtido pelo esmagamento e fervura do malte) com o oxigênio, ocorrendo então, reações oxidativas na fermentação da LAGER (às vezes, aquele gosto de “parafuso” na cerveja), ao contrário do que se observa na fermentação das ALES.
A Pilsner Urquell é produzida desde 1842 e considerada a primeira cerveja pilsner do mundo.

Para serem consumidas “mais geladas”, geralmente abaixo de 8º C, dependendo do tipo da LAGER, este estilo se popularizou com a invenção das câmaras frigoríficas e refrigeradores.
Embora possamos associar a LAGER ao amarelo ouro ou pálido (Pale), também temos variantes escuras, como as Schwarzbier  (cervejas escuras), a Dunkel (marron pálido) e as Bocks (bronze).
Dentro da família LAGER, por certo o estilo mais conhecido é o Pilsen, Pilsner ou Pilsener - estilo emoldurado pelas cervejas produzidas na região da Boêmia a partir de 1842, na cidade  de Pilsen (ou Plzeñ), hoje, República Tcheca, a qual tive oportunidade de visitar em 2009.
No entanto, também são LAGER: as Bock (Doppelbock, Maibock, Eisbock – remissão a Eisbeck, na Alemanha, e a tradicional Weinzebock), a Dunkel, a Märzen, as Pale Lager (lagers pálidas – Dortmunder, Pilsner, Helles, Dry Lager), a Schwarzbier, a Vienna Lager e a Kellerbier.
Por enquanto, é isso. Saúde!!!



Nenhum comentário: