12 maio 2014

Bebendo um pouco de história: Anna de Codorniu Cava Brut

O rótulo é uma homenagem a Anna de Codorniu, que casou-se em 1659 com Miquel Raventós, estabelecendo um dos pilares da atual bodega

Já fazia um tempo que não provava um Cava, por isso escrevi com água na boca um texto sobre esses famosos espumantes espanhóis, com algumas informações básicas para quem deseja saber um pouco mais (relembre). Logo em seguida comprei duas garrafas de produtores distintos para matar essa sede.

O primeiro deles é o Cava mais emblemático da famosa Codorniu, casa fundada em 1551 e que elaborou seu primeiro espumante na Catalunha em 1872. 

É "emblemático" para a bodega e para a Espanha porque foi o primeiro espumante a incorporar a Chardonnay em sua elaboração, o que ocorreu em 1984. Até então apenas as variedades locais eram utilizadas, mas hoje a uva francesa entra com 70% do corte desse espumante, enquanto o restante é dividido entre a Parellada (15%), Xarel-lo e Macabeo (15%). 

Todo o processo de elaboração, com a segunda fermentação na própria garrafa (método tradicional/Champenoise) dura 12 meses. Tem 12% de álcool. 

Na taça é amarelo palha. Aromas bem presentes, frutos tropicais, abacaxi, algo cítrico e uma presença lembrando groselha (acho que percebo isso em quase todos os Cavas que já bebi). Em boca é leve, refrescante, de boa acidez, mas alguma cremosidade. Fruta bem presente, repetindo as frutas tropicais e groselha. Pouca lembrança das notas da fermentação. 

Espumante equilibrado, que não foi feito para a guarda, devendo ser aberto logo após a compra, tanto para bebericar como aperitivo como para acompanhar comida, especialmente frutos do mar e culinária japonesa (shushi e sashimi). 


Detalhes da compra:

Comprei esse espumante no site da Wine, pagando R$62 com os descontos para associados. Seu preço normal é R$73.

Saúde a todos!



Nenhum comentário: