16 junho 2014

Mais um interessante vinho da histórica safra brasileira: Val 13 Reserva Tannat e Cabernet Franc 2005

Mais um bom exemplar da histórica safra brasileira de 2005.

Temos em casa uma quantidade considerável de vinhos tintos brasileiros de 2005, considerada uma das safras históricas no Rio Grande do Sul. Esses vinhos tem uma grande capacidade de guarda e muitos deles estão chegando no seu auge agora. Alguns, obviamente, já perderam um pouco de sua vivacidade, mas ganharam em complexidade, com aromas e sabores que só o tempo de guarda confere aos vinhos. 

Esse é mais um belo exemplar dessa safra e foi elaborado por uma vinícola que eu ainda não havia provado. Ganhei essa garrafa da Érika quando ela esteve numa de suas viagens ao Sul. O produtor é a Monte Reale, que elabora vinhos com essa marca, mas também os vinhos Valdemiz. Ao que parece a primeira é para os vinhos de mesa e essa última para os vinhos finos. 

O vinho é uma homenagem ao fundador da vinícola, Valdecir Mioranza, e o número 13 é uma alusão ao número do lote que a família recebeu quando chegou ao Brasil, em 1884, onde iniciaram o cultivo das mudas de uvas trazidas da Europa. 

É um corte de 50/50 das variedades Tannat e Cabernet Franc. Na taça já apresenta traços de evolução, com coloração predominantemente rubi e as bordas alaranjadas. Aromas em boa complexidade, presentes os frutos vermelhos, mas também musgo, couro e especiarias. Discretas notas provenientes da madeira (embora não tenha encontrado informações sobre o estágio em barricas). 

Em  boca tem corpo médio, com taninos presentes, finos, com grande acidez. A complexidade dos aromas se repete em boca. Bom equilíbrio. Final de média persistência, agradável, complexo e com caráter gastronômico. 

Um vinho brasileiro que evoluiu muito bem e ainda tinha muito a mostrar. Foi aberto no momento certo, porque parece que não ganharia com mais tempo de guarda. 

O mais legal é que foi elaborado com duas uvas que considero bem adaptadas ao clima do Sul e que tem dado ótimos vinhos, embora a Merlot ainda detenha o título de variedade "emblemática" do Brasil.


Detalhes da compra:

Como foi um presente trazido do Sul há alguns anos, não sei quanto custou. Na loja virtual da vinícola ele não está mais disponível, embora no varejo deles ainda seja possível encontrar o vinho. Então, me parece justo considerar que está numa faixa bem honesta de preços, já que o vinho mais caro deles é vendido a R$32 a garrafa (Sospirolo 2005).  

Saúde a todos!



Nenhum comentário: