27 junho 2014

Vamos "secar" o Chile amanhã, mas não desista da Concha y Toro: Marques de Casa Concha Cabernet Sauvignon 2009


Acho que já escrevi sobre isso aqui: quando começamos a aprimorar nosso gosto para vinhos uma tendência natural é deixarmos alguns vinhos populares de lado. Um deles é o Reservado, da Concha y Toro. Em razão disso, parece que todo vinho da maior vinícola do mundo é "proibido" para quem está num certo nível de experiência. 

Como diz aquele sujeito da Bahia: "sabe de nada, inocente"!

Dito isso, quero confirmar que estou no grupo dos que torciam o nariz para os vinhos da vinícola. Isso durou até 2011, quando estivemos por lá e provamos muita coisa boa, além de constatar in loco que ninguém no Chile recebe os turistas com tanto profissionalismo. 

Não quero dizer aqui que você deve sair correndo para comprar garrafas e mais garrafas do Reservado, até porque esse é um vinho que não existe no mercado chileno. No varejo da vinícola o vinho mais básico é o Casillero del Diablo. 

Mas, tem coisa muito boa e uma dessas ótimas opções é a linha Marques de Casa Concha, que está situada numa faixa de preços muito interessante, porque são vinhos de guarda, ideais para presentear alguém especial e certamente não causarão qualquer embaraço se aberto num almoço ou jantar especial. 

A linha está a cargo do enólogo Marcelo Papa desde 1999, elaborando varietais de Carmenère, Merlot, Cabernet Sauvignon, Syrah, Pinot Noir, Sauvignon Blanc e  Chardonnay. 

Esse Cabernet Sauvignon é feito com uvas do Vale do Maipo, bom terroir para essa variedade, com passagem de 18 meses por barricas francesas.

Abri o vinho quando ele já tinha 5 anos e confesso que poderia guardar por mais tempo. Mas, no fundo foi bom para reafirmar que a vinícola faz vinhos de excelência, apesar de nossas restrições. A coloração é rubi, sem qualquer nota de evolução. 

Os aromas são intensos, frutos vermelhos, amoras, especiarias, musgo e tostado. Não está com aqueles aromas típicos de eucalipto e menta que encontramos nos CS do Chile. Está mais dócil, digamos assim. 

Bom corpo, taninos macios, acidez moderada e muita, muita fruta, devidamente escoltada pela madeira presente, com baunilha, côco e tostado. Final longo e muito agradável. Vinho maduro, macio, equilibrado e muito prazeroso. Compra certa. 


Detalhes da compra:

Comprei esse vinho há muito tempo e não me lembro quanto paguei, mas recentemente comprei um 2011 por R$ 85 no Extra e vou guardá-lo por alguns anos. 

Saúde a todos!




Um comentário:

Anônimo disse...

considero esse um dos ótimos vinhos pra se comprar por menos de $100. Dá pra guardar por alguns anos e sempre agrada os convidados. Assino embaixo.