06 outubro 2014

Um francês fácil de beber: Les Amis Bordeaux 2010


Recebi esse tinto de Bordeaux para uma degustação virtual do Winebar, que estava apresentando três vinhos franceses importados pela Expand, um deles - o espumante - já comentado aqui (relembre).

O vinho é elaborado pela Les Vin Bréban, fundada em 1952. No corte utiliza as duas principais uvas autorizadas para a região Merlot (60%) e Cabernet Sauvignon (40%), com passagem por madeira, mas não sei precisar o tempo. Tem 13% de álcool. 

Gostei do vinho. Sem complicações, muito correto e fácil de beber. Não é um super vinho de Bordeaux, mas também não é daqueles tânicos, secos em demasia e sem personalidade. Esse pode agradar bastante, mesmo os que estão iniciando no mundo dos vinhos finos. 

Na taça tem cor rubi, brilhante e translúcido. Aromas em boa intensidade, frutos vermelhos e notas amadeiradas. Tem corpo mediano, com taninos macios e acidez mediana. A boa fruta se repete. Um vinho de final mediano, agradável, repetindo todas as sensações anteriores.

O vinho está pronto para beber. É seco, mas as notas frutadas o deixam muito dócil. Tem bom equilíbrio, embora não seja de grande complexidade. Fácil de beber, como dito acima.  

Está pronto para beber agora. Não deve evoluir com a guarda. 


Detalhes da compra:

Recebi o vinho para degustação do Winebar, mas na loja da Expand é vendido a R$78. 

Saúde a todos!



2 comentários:

Jhon Marques disse...

Olá. Primeiramente parabéns pelo blog. Comecei a beber vinho de forma costumeira recentemente e tenho interessado cada vez mais no assunto e confesso que muito perdido tmb. Nesse seu post você cita "não deve evoluir com a guarda". Como saber qual vinho pode ser armazenado pq tende a melhorar ou se o melhor é seu consumo imediato? Desde já agradeço as informações dadas no blog!

Administrador disse...

Jhon, obrigado pelo comentário.

esse tipo de afirmação leva em consideração a estrutura do vinho, ou seja, se tem taninos e acidez suficientes para que o vinho "ganhe algo" com a guarda, como mais equilíbrio ou mais complexidade em aromas e sabores.

mas, a maioria dos vinhos hoje no mercado - especialmente os mais baratos - são para consumo imediato. Não é um defeito ou problema, apenas um estilo que está relacionado ao preço e à qualidade dos vinhos.

isso derruba aquele ditado de que "quanto mais velho o vinho, melhor". Isso só vale para vinhos feitos para serem guardados por anos ou décadas.

abraço!