03 dezembro 2015

Em 2015 meu país de destaque foi o Brasil e para brindar escolhi o .Nero Espumante Brut #cbe


O tema desse mês para nossa querida Confraria Brasileira de Enoblogs - CBE veio de nosso coordenador Alexandre Frias, do blog Diário de Baco, que depois de uma temporada nessa função de organizar os confrades, passou o bastão para esse que vos escreve e que tem a honra de ser um dos fundadores da CBE, primeira e única confraria virtual brasileira. 

A escolha foi muito interessante: "como provamos muitos vinhos diferentes este ano, certamente um país deve ter chamado sua atenção de forma especial, seja pela característica dos vinhos ou até pela evolução em qualidade. Minha sugestão é de provamos um vinho do país que mais te impressionou em 2015. Pelo conjunto da obra, qual país levaria a taça em 2015?"

Poderia escrever sobre Portugal, Itália ou Argentina, por exemplo, mas preferi escrever sobre um país que vem demonstrando evolução na qualidade de seus vinhos, o Brasil!

Não, não é bairrismo é apenas uma constatação de que os produtores estão aprimorando seus vinhos para poderem competir melhor em um mercado abarrotado de vinhos importados de todos os preços e qualidades. Somando à concorrência natural ainda é preciso combater a tributação famigerada e o preconceito daqueles que preferem o importado mequetrefe a arriscarem novas experiências com os vinhos brasileiros. 

Nessa "linha evolutiva" não há como não reconhecer que os vinhos tintos estão mais frescos, mais fáceis e prontos para beber; os vinhos brancos e rosés fazem a alegria do consumidor com produtos diversificados, dos mais jovens aos mais complexos, e que têm se tornado compras seguras e ideais para nosso clima quente; e os espumantes continuam em sua trajetória de sucesso tanto no mercado interno (uma grande vitória) quanto no externo.

Minha escolha poderia recair sobre uma infinidade de vinhos, mas a correria de final de semestre não me permitiu comprar algo diferente para escrever aqui. Sinceramente, queria escrever sobre um vinho branco para deixar claro o quanto eles têm evoluído nos últimos anos, o que parece ser uma opinião de outros blogueiros também.

Não tendo como fazer desse jeito, resolvi apostar em um espumante que costumamos abrir sempre em casa, de boa relação custo x beneficio e que no último mês de novembro ficou entre os 10 melhores na 13ª edição do Effervescents du Monde, realizado em Dijon, na França (veja resultados aqui).

É elaborado pela Domno do Brasil, pelo método Charmat, com a segunda fermentação em cubas de aço inox pelo período de 6 meses. As uvas utilizadas no vinho base são Chardonnay (60%), Pinot Noir (30%) e Riesling (10%). Tem 12% de teor alcoólico.

Na taça tem coloração amarelo palha. Perlage fino, intenso e boa formação de uma espuma persistente, qualidades de um espumante muito bem feito. Bastante aromático, com lembrança evidente de frutos brancos, como melão e pêssego, além de flores. Em boca tem boa cremosidade, grande acidez e repetição das agradáveis notas frutadas e florais. Elegante, mas também festivo.

É um espumante brut (seco), mas com agradável dulçor que o deixa amigável mesmo aos que preferem espumantes com a Moscatel, por exemplo. A acidez não deixa o açúcar residual ficar enjoativo em nenhum momento. Final longo, persistente, com palato marcado pela intensa fruta branca e alguma mineralidade. Notas de fermentação discretas, com levíssimo tostado no final de boca.

Enfim, mais um belo produto brasileiro, com bom preço e nível internacional de qualidade!


Detalhes da compra:

Na loja virtual da vinícola é vendido por R$ 44,90, mas aqui em Uberlândia encontrei por R$ 43.

* Esse é o 106º vinho que comento para a CBE, primeira e única confraria virtual do Brasil.

Saúde a todos!



Um comentário:

Ju Gonçalves disse...

Legal, ainda conseguiu com bom preço e não pagou frete!