01 fevereiro 2016

Sem máscaras, leve e muito agradável: Domaine Bousquet Chardonnay 2014 #CBE

Foto: Marcel Gussoni (www.saborsonoro.com.br)

O tema desse mês para nossa Confraria Brasileira de Enoblogs - CBE foi indicado pelo amigo Tiago Bulla, do blog Universo dos Vinhos. Ele seguiu a tendência desse início de ano e sugeriu um "Chardonnay sem passagem por madeira, de qualquer país e preço, para combater o calor". 

Duas observações quanto a esse tema: a primeira é que não é fácil encontrar um Chardonnay sem passagem por barricas de carvalho, pois a maioria passa pelo menos alguns meses; a segunda é que atribui-se a vinhos sem madeira o rótulo de "mais simples" ou "baratinhos". 

Essa última é uma meia-verdade: SIM, os vinhos sem madeira podem pertencer a linhas mais simples de muitas vinícolas; NÃO, pois nem todos esses vinhos podem ser considerados simples ou baratos, porque há grandes vinhos que são a expressão pura da fruta, como em muitos Petit Chablis. 

Pois bem. Saindo às compras, encontrei esse vinho da excelente Domaine Jean Bousquet, que já teve vinhos comentados aqui. Foi fundada em 1997 pelo produtor que dá nome à bodega. Possui 110 hectares de vinhedos em Tupungato, região do Vale de Uco, em Mendoza. Nessa localidade as chuvas não passam de 20 cm ao ano e os vinhedos (a 1200 metros de altitude) são irrigados por gotejamento.

Os vinhedos foram plantados já em 1997 em "terras virgens", o que possibilita o cultivo orgânico das vinhas, sem utilização de pesticidas ou outros produtos químicos.

Na taça apresentou coloração amarelo palha.

Aromas em média intensidade, frescos, frutos brancos (pera, melão e goiaba branca), discretas notas herbáceas. Em boca é leve, com boa fruta se repetindo e acidez mediana. Vinho franco, sem interferência da madeira a fruta se apresenta bem nítida. Final de média persistência, bem agradável.

Não deverá ser guardado para além de 2016, para manter todo esse frescor, que aliás é seu grande trunfo, porque está longe de ser daqueles Chardonnay potentes e alcoólicos que encontramos pelo Novo Mundo.  

Sem grandes complexidades é um vinho de entrada da vinícola, bem feito e harmônico. Será interessante como aperitivo pela leveza, mas poderá acompanhar saladas, sushi, sashimi e vários frutos do mar, desde que sem preparações muito condimentadas.


Detalhes da compra:

O vinho é importado pela Casa Santa Luzia, onde comprei essa garrafa pagando R$ 54, mas o preço normal de venda é R$ 59. Fui atendido pela mineira Cassiane, que foi muito atenciosa conferindo a ficha técnica do vinho para confirmar que não passou por madeira.

* Esse é o 112º vinho que comento para a Confraria Brasileira de Enoblogs. 

Saúde a todos!



Um comentário:

Anônimo disse...

Adoro esse produtor.