27 março 2016

Direto da "montanha sagrada": Yarden Mount Hermon White 2013


Não é todo dia que bebemos vinhos de Israel. Na verdade, esse é apenas o segundo vinho que vem para o blog, mas assim como outros vinhos daquela região, como Marrocos, o resultado é sempre interessante. 

O produtor desse vinho branco é a Golan Heights Winery, que teve suas primeiras vinhas plantadas em 1976, mas somente em 1983 instituiu-se como vinícola, lançando no ano seguinte o Yarden Sauvigonon Blanc que recebeu críticas muito positivas no país e no exterior. Atualmente a bodega conta com 28 vinhedos espalhados por cerca de 600 hectares, uma extensão bastante considerável.  

Esse vinho pertence à linha Mount Hermon, uma das cinco que a vinícola comercializa. Seu nome é uma homenagem ao Monte Hérmon, que significa "montanha sagrada" em árabe, mas também pode ser traduzida como "montanha nevada", uma alusão ao contraste entre o deserto que a cerca e o pico sempre coberto por neve. Ao longo da história a montanha foi palco de inúmeras batalhas e menções na literatura, inclusive na Bíblia.

Segundo o produtor a Galileia é a região vinícola mais setentrional (norte) de Israel, sendo que Golan Heights é a região mais fria e que resulta vinhos da mais alta qualidade do país, com vinhedos localizados a 1.200 metros de altitude, beneficiando-se do degelo das montanhas. 

O vinho é um corte com predominância de Sauvignon Blanc e Viognier, mas uma pitada de Chardonnay e Semillon, sem passagem por barricas de carvalho, apenas um período em tanques de inox para ganhar equilíbrio. Tem 13,5% de álcool.

Na taça tem coloração amarelo palha. Aroma em  boa intensidade, notas minerais, frutos brancos como melão e algo tropical, como tangerina e goiaba branca. Discretas notas adocicadas lembrando mel. Na boca é intenso, tem uma pontinha de álcool que lhe dá potência, mas tem uma acidez refrescante. A sensação de boa fruta se repete, mas o destaque é para a boa mineralidade. 

Final de média persistência, muito agradável, marcado por uma complexidade bem interessante, mesclando os frutos tropicais, notas cítricas e mineralidade. 

Tem uma vocação gastronômica indiscutível, podendo ser um bom par para saladas, peixes assados e, claro, sushi e sashimi serão ótimas opções também.


Detalhes da compra:

Comprei esse vinho na simpática Wine Soul Store, em São Paulo. Um espaço pequeno, mas com muito charme, que foi visitado pelo amigo Beto Duarte, que gravou um vídeo com a sommelière Eliana Araújo, mas quem nos atendeu no dia da compra foi sua sócia, Ana de Andrade (assista aqui). 

Saúde a todos!



Nenhum comentário: