01 maio 2016

Rosé português para nossa #CBE: Monte Vilar Selection Rosé 2013


Hoje é dia de vinho para a Confraria Brasileira de Enoblogs e o tema foi escolhido pela querida Alessandra Esteves, a Dama do Vinho, que mandou bem ao indicar um vinho rosé para os confrades, independentemente do país ou da faixa de preços. 

Eu queria um vinho em faixa de preços mais acessível, algo na faixa dos R$40-50, mas deixando para a última hora acabei me deparando com esse português que me tiraria das escolhas óbvias: Argentina, Brasil e Chile. Apostei, mesmo pagando um preço mais alto do que desejava de início.  

Esse vinho é elaborado pela Casa de Santa Vitória, levando as tradicionais Alfrocheiro, Aragonez e Trincadeira. Em seu rótulo, além da indicação que é um "vinho regional alentejano", tem o brasão que lembra uma das lendas da cidade de Beja, recordando "o triunfo do Touro sobre uma monstruosa Serpente que a assolava".  

Na taça uma coloração vermelho-acobreada, com reflexos lembrando casca de cebola. Nos aromas é intenso, com boa presença de morangos e groselha. Na boca a primeira sensação é adocicada, o que deixa o vinho lembrando mais um meio-seco, o que agradará os paladares iniciantes no mundo dos "vinhos finos". Boa acidez. Final de boa persistência, com retro-olfato marcado pela boa fruta, especialmente a groselha. Tem 13,5% de álcool, o que o deixa potente para apenas bebericar. 

Já com três anos de idade parece ter desenvolvido alguns aromas e sabores evoluídos. Para meu gosto pessoal apenas um senão: poderia ser mais seco! Aliás, no contra-rótulo a indicação é de um "vinho seco", mas parece ser meio-seco. Harmonizará bem com saladas, comida japonesa (sushi e sashimi) e aves. 



Detalhes da compra

Comprei esse vinho em uma loja aqui em Uberlândia (MG). Sinceramente, o preço pago é mais alto do que a qualidade que entrega (R$80), mas não tive como escolher outro para comentar aqui e cumprir meu compromisso com os confrades. A avaliação abaixo não leva em consideração o meu gosto pessoal, mas as características que o vinho apresenta.  

* Esse é o 116º vinho que comento para nossa gloriosa Confraria Brasileira de Enoblogs - CBE. 

Saúde a todos!   


2 comentários:

Ale Esteves disse...

Muito bacana Gil. Eu entendo esse adocicado dos vinhos rosé e já vi em vários também. Agora vejo que alguns produtores indicam beber seu vinho rosé com gelo e isso deixaria o dulçor e os sabores mais delicados. Eu, pessoalmente, não sou muito fã.
Abraço,

Ale Esteves
www.alessandraesteves.com

Administrador disse...

Alê,
não encontrei essa indicação no rótulo ou contra-rótulo do vinho, até porque não gosto de colocar gelo em vinhos ou espumantes. Essa é uma moda que não me contagiou.
quando ao adocicado desse vinho é um exagero, em minha opinião.
abraço!